A Língua Cónia: Vestígios Genéticos

Como observa Cavalli-Sforza, as mudanças linguísticas ocorrem de modo análogo ao das mutações genéticas, mas a um ritmo muito mais rápido, e esta rapidez vem dificultar o trabalho dos linguistas. É também frequente que em consequência de invasão ou de uma corrente migratória muito forte, a língua das populações conquistadas se extinga. Sendo assim, é facilmente compreensível porque é que hoje nas línguas peninsulares poucos vestígios de palavras berberes podem ser encontrados (a palavra castelhana e portuguesa “mata” constitui uma das raras excepções). A antropologia física foi considerada no século XIX como a chave para desvendar o mistério da origem dos povos, entre ela, o estudo das formas do crânio foi extremamente popular, com a divisão dos povos em dolicocéfalos e braquicéfalos, uma classificação que permitiria supostamente desvendar a verdadeira origem dos povos europeus modernos. Contudo, trabalhos recentes vieram reduzir o mérito destas teses ao confirmar que a pressão do ambiente pode mudar muito drasticamente uma determinada morfologia óssea. Assim sendo, Cavalli-Sforza reconheceu nos estudos genéticos como a mais válida e científica forma de investigar e determinar as origens profundas de uma população humana.

Só os genes possuem a estabilidade suficiente para que possamos deduzir migrações, origens e parentescos entre duas populações distintas.

Existe um paralelismo quase universal entre a genética e a linguística. Povos geneticamente próximos falam em quase todo o mundo línguas da mesma família, algo que o trabalho de Cavalli-Sforza permitiu aclarar para além de qualquer dúvida. Em consequência, do estudo comparativo da genética dos povos que falavam as línguas que apresentámos na secção dedicada às línguas-hipótese, poderemos deduzir também quais serão aquelas que em resultado das comparações genéticas devem ser excluídas como podendo ser as utilizadas pelos antepassados dos portugueses do sul, os cónios. Na tabela 5.5.1 do já sobejamente citado “The History and Geography of Human Genes” apresenta-se uma tabela das distâncias genéticas de 26 populações europeias. Aqui, os portugueses surgem como muito próximos (por ordem) de: italianos, espanhóis, checos, suecos, noruegueses, franceses e ingleses; e como distantes de lapões, bascos, sardos, gregos, finlandeses, balcânicos e escoceses. Estas dissemelhanças permitem reduzir a probabilidade da língua dos cónios ser o basco, o sardo, o grego e o albanês; mas reforçam aquela que é a nossa tese favorita: a hipótese berbere… Uma vez que as populações que nos são mais próximas são todas parte da matriz mediterrânica; com excepção dos nórdicos, uma variação que pode ser explicada pela sobrevivência nos extremos norte e sul da Europa de genes das populações mesolíticas pré-capcenses anteriores às invasões berberes.

Em Portugal, tem escasseado o trabalho na área da Genética Histórica. Contudo, as recentes investigações conduzidas no Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto pelo professor António Amorim permitiram lançar alguma luz adicional sobre a origem norte-africana dos portugueses. A. Amorim não encontrou em Portugal os cromossomas Y “negros” típicos da África sub-saariana, mas em seu lugar descobriu tipos de cromossomas que surgem frequentemente no Norte de África. Estes cromossomas, presentes em toda a faixa atlântica ibérica, estão concentrados sobretudo a Sul, junto ao continente africano. António Amorim encontra na colonização berbere que resultou da invasão muçulmana de 711 os introdutores destes genes, mas se nos recordamos da tese da origem Capsense das populações não-indoeuropeias do Mediterrâneo, chegaremos rapidamente à origem profunda destas características genéticas sobreviventes ainda hoje nos portugueses de hoje: os cónios…

About these ads
Categories: A Escrita Cónia | 2 Comentários

Navegação de artigos

2 thoughts on “A Língua Cónia: Vestígios Genéticos

  1. Interessantíssimo este estudo comparativo!

  2. manuela a.

    “O grupo genético U6a representa a primeira expansão do Magrebe para Este no Paleolítico e o subgrupo u6a1( +/-20.000 a 15.000 anos) assinala um posterior movimento do Este de África para o Magrebe e próximo Oriente. Esta migração coincide com expansão das línguas Afro-Asiáticas”. Os estudos genéticos apontam para uma origem berbere na Europa para o grupo de ADN MT U6a1, no qual me encontro. Apesar de representarmos +/- 3% da população da Ibéria e ainda mais raros no resto da Europa, seria com imenso prazer e orgulho que pudesse dizer…Sou descendente dos cónios!

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com. The Adventure Journal Theme.

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa.org

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

looking beyond borders

Looking at foreign policy differently

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

Parece piada... fatos incríveis, estórias bizarras e outros micos

Tem cada coisa neste mundo... e todo dia surge uma nova!

O Vigia

O blog retrata os meus pensamentos do dia a dia e as minhas paixões, o FLOSS, a política especialmente a dos EUA, casos mal explicados, a fotografia e a cultura Japonesa e leitura, muita leitura sobre tudo um pouco, mas a maior paixão é mesmo divulgação científica, textos antigos e os tais casos ;)

A Educação do meu Umbigo

Gaveta aberta de textos e memórias a pretexto da Educação que vamos tendo. Este blogue discorda ortograficamente. Contacto: guinote@gmail.com

Promocão e difusão da língua portuguesa

Blogvisão

"Qualidade de informação para qualidade de opinião!"

geoeconomia

Just another WordPress.com site

Egídio G. Vaz Raposo

Media Scholar | Communication Consultant | Trainer

Mudar as coisas...

vivemos no presente, e é nele que devemos mudar. mudarmo-nos é condição necessária para mudar as coisas…

Um Jardim no Deserto

Um minúsculo oásis no imenso deserto físico, mental e espiritual em que se está a transformar Portugal

Extraterrestres ARQUIVO

Seja bem vindo ao Site Extraterrestres Arquivo - Volte Sempre

Muralha Verde SCP

Em prol da defesa e do ataque do Sporting!

Pitacos De Um Torcedor Corinthiano

Louco por ti Corinthians!

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 4.840 outros seguidores

%d bloggers like this: