Daily Archives: 2009/03/04

COMUNICADO DO MIL SOBRE A SITUAÇÃO DA GUINÉ-BISSAU

Os assassinatos do Presidente Nino Vieira e do Chefe Geral das Forças Armadas, Tagmé Na Waie, vêm acentuar de forma dramática mais um grave período de instabilidade na República da Guiné-Bissau.


Todos os povos e Governos da CPLP devem aproveitar estes acontecimentos trágicos para ajudar os irmãos guineenses a construir um verdadeiro Estado de Direito, eliminando de forma definitiva a imagem de Narco-Estado que infelizmente tem sido a da Guiné-Bissau, nos últimos anos.


Nessa medida, o MIL congratula-se com a manifestação de governos de países da CPLP no sentido de se empenharem no auxílio imediato aos irmãos guineenses de modo a evitar que a situação se degrade ainda mais.
Esse auxílio deverá, a nosso ver, concretizar-se em todos os planos: humanitário (através do envio de bens essenciais), cívico (principalmente nas áreas da educação e saúde), económico (através de um Fundo a criar no âmbito da CPLP) e, ainda, no plano da segurança interna. A este respeito, o MIL recorda a Petição “POR UMA FORÇA LUSÓFONA DE MANUTENÇÃO DE PAZ”, por si lançada, precisamente para responder a situações como esta que se vive na Guiné-Bissau.


MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO
Comissão Coordenadora

Nota de apresentação: O MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO é um movimento cultural e cívico recentemente criado, em associação com a NOVA ÁGUIA: REVISTA DE CULTURA PARA O SÉCULO XXI, que conta já com mais de oito centenas de adesões, de todos os países lusófonos.


A Comissão Coordenadora é presidida pelo Professor Doutor Paulo Borges (Universidade de Lisboa), Presidente da Associação Agostinho da Silva (sede do MIL).


A lista de adesões é pública – como se pode confirmar publicamente (
www.novaaguia.blogspot.com), são pessoas das mais diversas orientações culturais, políticas e religiosas, pessoas dos mais diferentes locais do país e de fora dele.


MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO (www.movimentolusofono.org)
Blogue associado: NOVA ÁGUIA: O BLOGUE DA LUSOFONIA (novaaguia.blogspot.com)
SEDE: ASSOCIAÇÃO AGOSTINHO DA SILVA (Rua do Jasmim, 11, 2º – 1200-228 Lisboa; E-Mail: AgostinhodaSilva@mail.pt; Tel.: 21 3422783 / 96 7044286; http: www.agostinhodasilva.pt; NIF: 503488488; NIB: 0033 0000 2238 0019 8497 2)

Categories: Movimento Internacional Lusófono | Tags: | Deixe o seu comentário

COMUNICADO DO MIL SOBRE A SITUAÇÃO DA GUINÉ-BISSAU

.
Os assassinatos do Presidente Nino Vieira e do Chefe Geral das Forças Armadas, Tagmé Na Waie, vêm acentuar de forma dramática mais um grave período de instabilidade na República da Guiné-Bissau.

Todos os povos e Governos da CPLP devem aproveitar estes acontecimentos trágicos para ajudar os irmãos guineenses a construir um verdadeiro Estado de Direito, eliminando de forma definitiva a imagem de Narco-Estado que infelizmente tem sido a da Guiné-Bissau, nos últimos anos.
Nessa medida, o MIL congratula-se com a manifestação de governos de países da CPLP no sentido de se empenharem no auxílio imediato aos irmãos guineenses de modo a evitar que a situação se degrade ainda mais.
Esse auxílio deverá, a nosso ver, concretizar-se em todos os planos: humanitário (através do envio de bens essenciais), cívico (principalmente nas áreas da educação e saúde), económico (através de um Fundo a criar no âmbito da CPLP) e, ainda, no plano da segurança interna. A este respeito, o MIL recorda a Petição “POR UMA FORÇA LUSÓFONA DE MANUTENÇÃO DE PAZ”, por si lançada, precisamente para responder a situações como esta que se vive na Guiné-Bissau.

MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO
Comissão Coordenadora

Nota de apresentação: O MIL: MOVIMENTO INTERNACIONAL LUSÓFONO é um movimento cultural e cívico recentemente criado, em associação com a NOVA ÁGUIA: REVISTA DE CULTURA PARA O SÉCULO XXI, que conta já com mais de oito centenas de adesões, de todos os países lusófonos.
A Comissão Coordenadora é presidida pelo Professor Doutor Paulo Borges (Universidade de Lisboa), Presidente da Associação Agostinho da Silva (sede do MIL).
A lista de adesões é pública – como se pode confirmar publicamente (
www.novaaguia.blogspot.com), são pessoas das mais diversas orientações culturais, políticas e religiosas, pessoas dos mais diferentes locais do país e de fora dele.

Categories: Guiné-Bissau | Deixe o seu comentário

Sobre as ajudas ao sector automóvel na Europa, o colapso da GM e as dificuldades da Toyota no Japão

Fábrica alemã da Opel em http://www.hebig.org

Fábrica alemã da Opel em http://www.hebig.org

O Proteccionismo estende as suas asas paulatinamente um pouco por todo o mundo… A China reinstaurou os subsídios às exportações. Nos EUA, o governo federal injecta biliões de dólares numa indústria automóvel à beira do colapso e com passivos babilónicos. Até no Japão, país que sempre liderou neste campo, o governo nipónico se prepara para ajudar a Toyota, a empresa que ainda há pouco menos de um ano, ultrapassava a gigantesca GM como a maior construtora mundial e exigia padrões de saúde financeira invejáveis.

O Japão irá agora injectar até quatro mil milhões de euros, respondendo assim ao apelo da construtora que tem um peso tão elevado nas exportações japonesas.

Na Europa, a Opel, adquirida pela colapsante GM no passado, tenta libertar-se do peso opressivo do fracasso da casa-mãe. A GM, intensamente auxiliada pelo governo dos EUA não encara as suas operações europeias como prioritárias e ameaça encerrá-las se os governos europeus não injectarem capital na sua subsidiária Opel, à semelhança do que está acontecer nos EUA. Se a Opel estourar, leva consigo 30 mil empregos um pouco por toda a Europa… Mas não já em Portugal, já que a empresa encerrou em 2006 deixando 1200 desempregados e uma produção deslocalizada para Espanha. A GM europeia pede 3,3 mil milhões de euros ao governo alemão e também está a pressionar os governos britânico, espanhol e polaco pedindo outras verbas, mas não especificadas.

Estas ajudas governamentais são uma prova evidente do colapso dos mecanismos da sã concorrência. Se uns governos estão a injetar biliões de dólares nas suas construtoras nacionais, isso não irá colocar automaticamente em desvantagem os países que não seguem idêntica conduta e aqueles que o não podem fazer em idênticos volumes de ajuda? E onde ficará Portugal – onde esse sector tem um peso tão importante nas exportações – se o nosso Governo não fôr capaz de acompanhar as ajudas que EUA, França, Espanha, Polónia, etc estão a dar aos construtores instalados nos seus territórios? Que motivação terá a Wolkswagen, a PSA, a fábrica remanescente da Opel, etc, para manterem as suas operações em Portugal se forem cumuladas com chuvas de ajudas estatais noutros países da UE? Obviamente que estas ajudas deviam ser coordenadas internacionalmente, para não distorcerem ainda mais os mecanismos de concorrência e prejudicarem ainda mais os países cujos Estados têm menos capacidade de resposta financeira. Mas isso não está a suceder… Em França, por exemplo, Sarkozy está a vestir o fato “do nacionalismo económico” sem grandes pudores… e a Alemanha, prepara-se para fazer outro tanto com as suas construtoras. De facto, estas atitudes isoladas e desconcertadas são contra-produtivas e se a Comissão Europeia não fosse gerida por esse cherne incerto que é Fujão Barroso, já teria agido, banido essas ajudas nacionais e implementado um programa europeu, concertado, paritário e uniforme que abrangesse todas as fábricas automóveis europeias. Mas para isso… Fujão Barroso, teria que ser outro e a UE teria que ser mais do que uma mera repartição de finanças à escala europeia…

Quem parece estar a ficar para trás… enredado ainda nas ajudas ao sistema financeiro, é Portugal…
Para mal das construtoras instaladas em Portugal, dos empregos que elas mantêm e das nossas exportações.
E não me falem da linha de crédito para o sector automóvel, com os seus 200 milhões… valor ínfimo (e ainda não totalizado) das verbas que estão sobre a mesa.

Fontes:
http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1367619

http://www.businessweek.com/bwdaily/dnflash/content/oct2008/db20081028_593234.htm?campaign_id=rss_daily

http://diarioeconomico.sapo.pt/edicion/diarioeconomico/nacional/economia/pt/desarrollo/721118.html

http://diario.iol.pt/economia/portugal-bancos-automovel-carros-industria-acap/1043185-4058.html


Categories: Economia, Política Nacional, Portugal | Tags: , , | 6 Comentários

Sobre o projeto parisiense de geotermia e da aplicação dessa energia renovável em Portugal

A central geotérmica dos Açores em http://www.eccn.edu.pt

A central geotérmica dos Açores em http://www.eccn.edu.pt

Um projeto que será implementado em Paris promete revolucionar a formar como as grandes cidades do mundo podem poupar energia e reduzir as suas emissões de CO2. Trata-se de extrair calor através da instalação de uma rede de canos até dois quilómetros sob um “distrito” da capital parisiense. A instalação aproveitaria a já conhecida potencialidade geotérmica de Paris e os trabalhos de escavação já começaram na região norte da cidade.

A França é dos países europeus que menos investiram em energia renováveis nos últimos anos, estando Portugal, por exemplo, bem acima (comparativamente) dos seus padrões de produção de energia já que em 2006, fomos o país da UE onde mais cresceu a produção de eletricidade por fonte eólica e no ano seguinte, um notável valor de 40% de toda a energia produzida no país tinha já fontes renováveis, um valor que aumentará ainda mais com a construção de novas barragens.

A perfuração alcança atualmente os 1700 metros de profundidade e a temperatura já é de 57 graus Celsius, o que confirma a viabilidade do projeto. Será esta água que será bombeada para a superfície, aquecendo depois outra tubagem de água até a blocos de apartamentos para aquecer radiadores e levar água quente até estas casas.

Esta energia inteiramente renovável permitirá uma poupança de gás e eletricidade usados atualmente para aquecer a água nestes lares parisienses e deverá cobrir até 2011 um máximo de doze mil residências. O custo total do projeto irá ascender a 31 milhões de euros. Em 2011, o sistema vai impedir a emissão de 14 mil toneladas de CO2 para a atmosfera e a energia usada para aquecer esta água corresponde a 54% do total da energia consumida por essas habitações.

A empresa responsável pela construção e exploração do sistema é detida parcialmente pelo município de Paris, dando uma prova do papel que as gestões locais podem dar na resolução de problemas ligados à ecologia e à energia quando os governos nacionais se deixam enredar em soluções mais convencionais e menos imaginativas como a energia nuclear ou o gás natural.

Na Islândia – país praticamente em bancarrota, mas provido de abundantes fontes geotermais – um quarto da energia já tem esta origem e nove décimos das casas do país são aquecidas desta forma.

Em Portugal, o governo anunciou recentemente um projeto para a produção de eletricidade a partir do calor interno da Terra, através de uma nova tecnologia designada de “Sistemas Geotérmicos Estimulados” que está a ser desenvolvida em parceria pela empresa Geovita e pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra. O governo irá investir neste projeto 1,1 milhões de euros nos próximos cinco anos. Simultaneamente, existe um concurso da Direcção Geral de Energia e Geologia para a instalação de uma unidade de 12 MW de potência geotermal que será instalada na região centro do país, utilizando a tecnologia nacional dos “Sistemas Geotérmicos Estimulados”. Segundo os investigadores da Universidade de Coimbra, Portugal continental tem potencialidade para uma exploração em escala da geotermia, para além da já existentes unidades geotérmicas que funcionam nos Açores desde meados da década de sessenta e que agora têm condições para serem expandidas usando esta nova e mais eficiente tecnologia.

Fontes:

http://www.portugal.gov.pt/Portal/PT/Governos/Governos_Constitucionais/GC17/Ministerios/MEI/Comunicacao/Programas_e_Dossiers/20050929_MEI_Prog_Estrategia_Energia.htm
http://www.portugal.gov.pt/Portal/PT/Governos/Governos_Constitucionais/GC17/Ministerios/MAOTDR/Comunicacao/Programas_e_Dossiers/20071004_MAOTDR_Prog_Barragens.htm
http://www.ambienteonline.pt/noticias/detalhes.php?id=7500

Categories: Ciência e Tecnologia, Ecologia, Economia | Tags: | Deixe o seu comentário

Quids S15: Em que evento foi tirada esta fotografia?

a4

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 6:00 e as 10:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30). Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 50 pontos.

6. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Categories: Quids S15 | 13 Comentários

O segundo ATV europeu, o “Johannes Kepler” será lançado em 2010

O primeiro ATV Jules Verne em http://www.flightglobal.com

O primeiro ATV "Jules Verne em http://www.flightglobal.com

O segundo ATV “Automated Transfer Vehicle” será intitulado “Johannes Kepler”, em homenagem a este importante astrónomo europeu e cujos 400 anos de aniversário se comemoram no próximo ano. A nave espacial não-tripulada europeia será lançada em meados de 2010.

A segunda missão do ATV para abastecer a ISS representa o comprometimento da Europa na manutenção da Estacão Espacial Internacional e a fiabilidade da tecnologia espacial europeia comprovada pelo primeiro ATV “Jules Verne” e a sua missão sem falhas. Cada ATV é capaz de levar até seis toneladas de abastecimentos para a Estação e com os seus propulsores contribui para manter a órbita da ISS. Quando a sua carga de combustível se esgota, o ATV é largado pela Estação e destrói-se na reentrada atmosférica, juntamente com 2,5 toneladas de lixo produzidas durante os seis meses que esteve atracado na ISS.

O “Johannes Kepler” está atualmente em construção nas instalações da EADS Astrium, em Bremen, na Alemanha.

O ATV é hoje essencial para a sobrevivência da ISS, porque devido à relativamente baixa altitude da Estação esta é tão sujeita à fricção da atmosfera com a consequente perda de velocidade e decorrente perda de altitude. A Estação tem também estado perigosamente dependente das naves russas Progress e Soyuz, e os russos ainda que neste concreto tenham sido um parceiro de confiança do Ocidente, desde a guerra na Geórgia que estão empenhados numa estratégia de confronto, como demonstrou a sua pressão para que os EUA abandonassem a sua importante base aérea no Uzbequistão e as várias “guerras do gás” que tanto têm afectado a Europa.

Fonte:
http://www.space-travel.com/reports/Second_ATV_Named_After_Johannes_Kepler_999.html

Categories: SpaceNewsPt | Tags: , | Deixe o seu comentário

Blog em WordPress.com. The Adventure Journal Theme.

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa.org

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

DIRECT e-DEMOCRACY NOMOCRACY & EQUALITY LAWS..! THE RULE OF LAW

Are we going to allow chinese dictators to own the whole planet?

looking beyond borders

Looking at foreign policy differently

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

Parece piada... fatos incríveis, estórias bizarras e outros micos

Tem cada coisa neste mundo... e todo dia surge uma nova!

O Vigia

O blog retrata os meus pensamentos do dia a dia e as minhas paixões, o FLOSS, a política especialmente a dos EUA, casos mal explicados, a fotografia e a cultura Japonesa e leitura, muita leitura sobre tudo um pouco, mas a maior paixão é mesmo divulgação científica, textos antigos e os tais casos ;)

A Educação do meu Umbigo

Gaveta aberta de textos e memórias a pretexto da Educação que vamos tendo. Este blogue discorda ortograficamente. Contacto: guinote@gmail.com

Promocão e difusão da língua portuguesa

Blogvisão

"Qualidade de informação para qualidade de opinião!"

geoeconomia

Just another WordPress.com site

Egídio G. Vaz Raposo

Media Scholar | Communication Consultant | Trainer

Mudar as coisas...

vivemos no presente, e é nele que devemos mudar. mudarmo-nos é condição necessária para mudar as coisas…

Um Jardim no Deserto

Um minúsculo oásis no imenso deserto físico, mental e espiritual em que se está a transformar Portugal

Extraterrestres ARQUIVO

Seja bem vindo ao Site Extraterrestres Arquivo - Volte Sempre

Muralha Verde SCP

Em prol da defesa e do ataque do Sporting!

Pitacos De Um Torcedor Corinthiano

Louco por ti Corinthians!

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 4.708 outros seguidores