O Brasil vai começar a construir o seu primeiro submarino nuclear em 2016

O SNA Barracuda: a origem do SNA brasileiro? (http://www.defesabr.com)

O SNA Barracuda: a origem do SNA brasileiro? (http://www.defesabr.com)

O Brasil prepara-se para começar a construir o seu primeiro submarino nuclear em 2016. O navio será uma variante do submarino francês Scorpène, mas com propulsão nuclear. O submarino deverá entrar ao serviço em 2021. Nessa data o Brasil entrará oficialmente no restrito número dos países que operam submarinos nucleares nas suas marinhas.

A construção do navio irá implicar um nível elevado de transferência de tecnologia nuclear francesa para o Brasil. Algo que não será de somenos se tivermos em conta o facto de que a França detém hoje a tecnologia nuclear mais avançada do mundo. Além da tecnologia de pequenos reatores, muito outro know-how no domínio da eletrónica, cascos, baterias, etc será transferida, potenciando a sua rápida aplicação na construção naval civil.

Pessoalmente, nunca fui grande adepto desta opção brasileira… Sempre considerei que o preço de desenvolver um tal submarino seriam equivalentes aos de manter toda uma frota dos mais modernos submarinos AIP, mas essa não é a tese favorita no Brasil, prevalecendo aquela que defende que um submarino nuclear poderá patrulhar de forma mais eficiente a imensa zona económica exclusiva brasileira e as cada vez mais importantes plataformas petrolíferas. É verdade que durante a Guerra das Malvinas, 3 submarinos nucleares britânicos conseguiram manter colada nos portos toda a marinha argentina, provando que um navio que pode estar submerso durante longos períodos pode ter um fantástico poder dissuasivo, mas… Um AIP pode fazer o mesmo, a apenas uma fração do preço de um SNA.

Fonte:
http://aeiou.expresso.pt/brasil-primeiro-submarino-nuclear-brasileiro-comeca-a-ser-construido-em-2016=f532894

About these ads
Categories: Brasil, DefenseNewsPt | Tags: | 33 Comentários

Post navigation

33 thoughts on “O Brasil vai começar a construir o seu primeiro submarino nuclear em 2016

  1. André Cassiano

    Tem uma coisa errada ai , o França não vai transferir tecnologia nuclear para o Brasil,apenas a tecnologia de construção do casco (tecnologia do aço usado ,solda ,sistemas de combate ,etc) toda aparte nuclear será de responsabilidade do Brasil, inclusive o sistema de controle do reator ,o reator já se encontra em construção,em Ipero- São Paulo,toda a tecnologia desde construção do reator até a do enriquecimento do urânio já são dominada pelo Brasil ,além disso tem convenções internacionais que proibi a transferência de tecnologia nuclear para uso militar, pode haver transferência de tecnologia nuclear ,mas para construção de usinas para geração de energia ,o governo tem planos começar a construir 4 usinas no nordeste e as empresas vão ter que transferir tecnologia ,a mais cotada para construir os reatores é a Francesa Areva.
    Só um dado, nos últimos 8 anos o governo liberou 250 milhões de reais por ano para o reaparelhamento da marinha ,só em outubro deste ano foi liberado 2,1 bilhões de reais para a construção dos submarinos , parece que agora estão levando a serio .

  2. corretamente observado, André.
    Por “nível elevado de transferência de tecnologia nuclear francesa para o Brasil” pretendi referir a tecnologia do casco, que é específica do reator do navio, mas não exatamente do reator, que é de concepção e fabrico inteiramente brasileira.

  3. paulo dias

    parece-me que um dia iremos assistir a uma novela do “KURSK” mas em versão brasileira e com um pouco de samba.
    O brasil construir a manter submarinos nucleares ?! é anedota,o brasil não tem meios tecnologicos nem humanos para tal coisa !!!!
    eles queriam mas não têm !!!!!
    LOL

  4. Caro Clavis,

    Não nenhum especialista da área militar, mas acompanho o assunto com muita atenção. O problema dos submarinos com AIP, segundo os dados que até agora recolhi, é a sua autonomia e a sua velocidade com este sistema, para além da logística necessária para se abastecerem.
    No caso do U-214, o submarino com o sistema AIP mais avançado, a autonomia é de 420 milhas a 8 nós e 1.248 milhas a 4 nós. Isso o condena a ser uma arma limitada à guerra de posição, ainda que esteja em alguma vantagem em relação aos subs exclusivamente a diesel. Mas é uma vantagem limitada que pode ser anulada após um ataque, que revela a presença do submarino. Com o submarino nuclear, cujo problema da autonomia não se põe, é possível navegar constantemente a 30 nós, o que o torna apto à guerra de movimento e aumenta as possibilidades de sobrevivência após um ataque.
    Isso também obriga o inimigo a empregar muito mais meios para a caça aos submarinos pois a área a ser protegida é muito maior.
    E há um facto que torna o projecto brasileiro muito interessante; o sistema de propulsão utilizará a técnica desenvolvida para as ultra-centrífugas usadas no enriquecimento do urânio, que operam sem atrito graças ao magnetismo.
    Com uma arma dessas o Brasil poderá fechar o Atlântico em caso de necessidade.

  5. Salve estimado Clavis, se me permite gostaria de fazer uma coprreção no texto ai publicado.
    O submarino o qual marinha do Brasil se baseará para seu programa do qual pretende construir 5 unidades será a classe francesa SUFFREN ou simplesmenmte barracuda, entretanto o navio brasileiro será maior em comprimento e deslocamento algo como 5 metros e 200 toneladas a mais atingindo perto de 6000 ton.
    quanto aos Scorpène, sim estes sim serão comprados diretamente e fabricados no Brasil, serão inicialmente 4 mas o PRM prevê um total de 15, tal como o Sub Nuclear a variante Scorpène Brasileira será algo entre 5 e 7 metros maior, terá maior autonomia e mais espaço para conforto da tirpulação isto porque a Marinha quer manter estes subs o máximo de tempo nos mares e em operações de longo raio.
    portanto os SSK serão Scorpene
    o SN será SUFREN.
    um grande abraço e cordiais cumprimentos
    E.M.Pinto
    Plano Brasil

  6. Carlos:
    Tudo correto e concordo com o que acrescenta. Mas a questão da propulsão nuclear deve ser vista para além de uma estrita lógica militar: o custo de um sistema nuclear (desenvolvimento, construção e sobretudo manutenção) tem que ser muito mais alto do que um sistema AIP. E quantos submarinos AIP poderia o Brasil operar pelo mesmo custo de criar, construir e manter um? Por alguma razão se fala sempre de um SNA e nunca vi falar em lado algum de uma frota destes navios… Em suma: o SNA é excelente como arma disuasora, mas… manter uma frota de 5-7 AIPs não trará o mesmo resultado por uma fração do custo?

    E.M.Pinto:
    Obrigado pela correção! É um erro desta fonte. Um jornal generalista português.

  7. Estamos mt atrasados, nessa área , no VLS..na educação…enfim, só atraso.Tbm, com os governantes q sempre ” elegemos”; estou querendo o quê?

  8. isso não duvida, Carlos: os governas são extaamente aquilo que nós queremos sejam: bons ou maus. E quem não vota… não tem direito a criticar!

  9. Clavis,

    Eu concordo com o seu raciocínio de que se deve ter atenção aos custos, mas há uma outra informação a considerar nessa equação; o facto da marinha brasileira já ter desenvolvido um reactor e possuir a tecnologia que usará para a propulsão.
    Posso me enganar no número, mas penso que algo em torno de 1,5 bihões de dólares já foi investido desde 79, o que torna o programa brasileiro exemplar em matéria de custos (aí se inclui também o desenvolvimento da tecnologia de enriquecimento do urânio).
    Para desenvolver o AIP, que é um sistema mais limitado militarmente, teríamos que começar do zero, e isso seria mais caro do que completar o submarino nuclear, onde falta somente o casco.
    Eu acredito que os militares brasileiros sabem o que estão a fazer. Na verdade sou levado a crer que somos nós que não sabemos tudo o que eles estão a fazer. Pesquise acerca da figura do Almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva e ligue isso com algumas notícias recentes em torno de uma tese chamada “Simulação numérica de detonações termonucleares em meios híbridos de fissão-fusão implodidos pela radiação”, publicada pelo Instituto Militar de Engenharia.
    Há muita fumaça no horizonte…

  10. Correcto Carlos Velasco.

    Há muito que o Brasil possui a capacidade construir os seus vetores movidos a energia nuclear, o que não tinha era um projeto coeso e plausível, nem tão pouco orçamento para isto, mas agora dispõe e as perspectivas sãod eque no futuro(próximos 15 anos) este orçamento triplique passando por exemplo orçamento de nações como Reino unido e França.
    Quais limitações terá este país?
    devolembrar que as centrais produtoras de combustível nuclear brasileiro operam desde os anos 80 e sãoa s mais moderna do mundo, quem duvida que faça uma pesquisa rápida pela net e verá.
    capacidade, pessoas formadas e profissionais dedicados abundam no Brasil, o problema sempre foi a admnistração pública, mas até esta está a mudar, como pode ser visto também em uma pesquisa rápida pela net.

  11. si, admito que os 1,5 biliões já gastos no reator alteram os termos da equação a favor do SNA…
    Mas e a manutenção? E a base especial que terá que ser construída? Já se sabe o que vai custar esta estrutura por ano?

    e nota: 1,5 bilião para ter um SNA é caro… muito caro mesmo!

    http://outthere.whatitcosts.com/nuclear-submarine.htm

    um Virginia custa 2,1 biliões cada
    e não sei quanto custará esse SNA, mas não deverá ser menos do que os 1,6 biliões por unidade que custam os SNA aos franceses… o que dá: 3,1 biliões pelo (único) SNA brasileiro?!

    Um Scorpene AIP custa 439 milhões de euros… Ou seja, daria para comprar 6 pelo preço desse SNA.

  12. Eu tbm vejo o mesmo com um preço mt maior q um convencional, + temos de possuir pelos uma fritilha de 06 subs nucleares…e no mínimo uns 21 SSKs , e fortemente armados, capazes de atacar alvos em terra…p, ontem.

  13. Pedro

    E provavel que um classe virginia custe 2,1 bilhões para ser consturido hoje, mas se somar o valor para o desenvolvimento do submarino desde o inicio do projeto com certeza o valor sobe para mais de 10 bilhões de dolares, portanto se o brasil conseguir pelo preço que esta falando sera um dos projetos de submarinos nucleares mais baratos desenvolvidos. E não se pode comparar um submarino tecnologia AIP

  14. André Cassiano

    Sobre a base ,o acordo com a frança já inclui a construção de uma base naval e na mesma base, o estaleiro para a construção dos submarinos nucleares e convencional , no total 1,5 bilhões de dolares .

  15. pedro:
    pois. é verdade… 10 biliões é provavelmente um valor muito aproximado. Ainda assim, o custo de desenvolver um tal navio continua a ser muito superior ao de desenvolver tecnologia aip local… e exportável, o que não poderá acontecer com o sna,
    certo?

    andré:
    construção, mas não manutenção, naturalmente… é aqui que a diferença entre o AIP e o SNA será maior. a prazo.

  16. Vamos ver, primeiro o boi a carnes depois…

  17. antonio moreira

    Um submarino é uma grande arma dissuasora,é uma arma que pode provocar o TERROR nas linhas inimigas , o brasil é uma grande nação,é um pais muito cobicado pelas potencias estrangeiras,as terras de vera cruz têm que desenvolver o seu exercito,têm que ter um exrcito com capacidade de dissuasão para que ninguem um dia tenha ideias preversas em relação ao brasil !!!!
    O brasil deveria fazer acordos multilaterais entre russia-china-india para a transferencia e cooperação militar,o brasil deveria tambem fazer uma aproximação a israel,pois estes têm muito know-how em diversas areas que só iria beneficiar o brasil,não nos esqueçemos que existem estudos que sugerem que quinze porcento da população brasileira é descendente dos novos-cristãos fugidos de portugal,ainda não compreendi porque nenhum governante brasileiro ainda não deu nenhum passo em relação a essa opção estrategica !!!!

  18. a china não transfere tecnologia… só a tenta captar, sob todos os meios e formas…
    um tal acordo com essa potencia imoral seria não somente perigoso, como mancharia os pergaminhos imaculados em Direitos Humanos e intervencionismo externo do Brasil.

  19. Os ianks já estão indo embora do cenário internacional como potência hegêmonica, esse séc. é do Dragâo…é inevitável,o contraponto deles é a India, como eu digo, se a politica de “um só filho” cair…nenhum pais poderá deter seus exercitos, seu ímpeto; só espero q continue a ser um pais sem pretenções expansionista. Eles vaõ ter de volta “formosa” , por direito, e boa parte da siberia..os Rússos q se cuidem , quem viver verá.

  20. não é inevitável… o planeta não está fadado a ser subjugado por uma china cada vez mais arrogante e prepotente. Não devemos deixar-nos vencer pelo gigante, já que no passado, nunca houve uma única potencia dominante, no futuro será o mesmo: todos Europa, Brasil, EUA (ainda longe de estarem “acabados”) e muitos outros manterão o mundo naquilo que este é ainda hoje: multipolar.

  21. Caro Clavis,

    É pena que são poucos os que pensam de facto o problema chinês, especialmente por ser um problema grave.
    A relação do mundo com a China é curiosa. Deixam o gigante se fortalecer através das exportações de produtos manufacturados por mão-de-obra expulsa do campo – com quem o trabalhador ocidental não pode competir a não ser que opte pela pobreza – para ganhar a sua boa vontade, mas esta só diminui com o aumento do poder chinês.
    Pior que a dependência chinesa do mercado consumidor ocidental para a sua industrialização, é a sua dependência alimentar gigantesca e também a sua dependência de matérias-primas importadas, como provam a soja e o minério de ferro que o Brasil exporta ao invés de transformar em aço para a sua própria indústria.
    Ainda estamos em tempo de nos fazer respeitar pela China, só basta a vontade, mas está chegando o dia em que a China terá capacidade ofensiva e poderá alcançar com sucesso o que o Japão desejou antes da 2ª Guerra Mundial.
    Para quem matou 76 milhões dos seus, penso que condenar uns bilhões à escala mundial não são um problema – e nem umas centenas de milhões dos seus – e a Rússia, senhora da Europa, está com eles. O prémio desta vez é o governo do mundo.

  22. espero q vc esteja certo,multipolar..é bem melhor p td o planeta, e CS + abrangente e decisivo.

  23. Sim, os países que hoje buscam a aliança com a China parecem prioritizar o bruto e cego ganho material imediato, sem pensarem que a prazo, sairão prejudicados. A China está a comprar tecnologia, mas não o fará para sempre e cada sua compra tem em mira direta a reprodução interna, para posterior reexportação.
    Eles (governo de Pequim) têm armas que hoje ninguém mais tem no mundo para manter baixos custos de produção: desregulação ambiental e laboral e mão-de-obra resultante do êxodo rural que indica, de facto.
    Com tais armas, a prazo, devorarão tudo o que resta de produção industrial de baixa e média tecnologia nos próximos 10 anos, e após estes, vai também a alta tecnologia que agora estão a importar (e a desmontar) a russos e europeus…

  24. Caro Clavis,

    Em primeiro lugar faço um reparo ao post que escrevi. Errei feio na concordância verbal no último parágrafo (não são um problema ao invés de ” não é…”). A pressa é inimiga da língua.
    A coisa importante que desejava escrever é acerca da pressão chinesa sobre a Embraer, depois desta ter transferido a sua produção de jactos leves para a China e não ter recebido as contrapartidas prometidas, para que ela transfira a produção dos EMB-190 para lá.
    Ao mesmo tempo os chineses vão fazendo planos para entrar em força na aviação civil e já apresentaram uma turbina comercial para um futuro avião de 190 lugares(http://www.aereo.jor.br/2009/11/04/avic-revela-modelo-do-motor-chines-sf-a-para-o-jato-comercial-c919/).
    Os ingleses acordaram o Dragão depois da guerra do ópio, o ocidente quase todo pilhou aquela nação para defender os interesses de uns poucos e agora o mundo todo pagará por isso, a não ser que…

  25. é verdade.
    a Airbus também cometeu o mesmo erro, mas numa escala ainda maior:

    http://www.freerepublic.com/focus/f-news/2277262/posts

    aqui, com a Embraer e a Airbus, a táctica chinesa é clara:
    transferem tecnologia, na mira de chorudos contratos de curto prazo, e prazo passam a produzir para as necessidades locais e a longo, exportam, aniquilando aqueles que cairam no canto do cisne…

  26. Salve estimado Clavis
    segue aqui algo referente ao SUB NUC

    Segue abaixo uma sinopse do que foi publicado na Diário Oficial a respeito de l.iberação de verbas para o pro-sub.
    O governo pretende em 20 de janeiro de 2010, lançar a pedra fundamental do estaleiro e da base naval em Itaguaí (RJ), onde serão construídos os submarinos.
    A Nuclep deve começar a moldar e soldar algumas partes do 1ª “scorpene” segundo alguns comentários que vieram ao meu conhecimento a partir de maio ou junho/2010, porém nada confirmado, a pálpável porém. Tratam-se de partes que a empresa já adquiriu “Know-how” com os 209 alemães, Quanto a seção dianteira desse 1º submarino será construida pela DCNS na França, acompanhada por tecnicos e engenheiros brasileiros que receberão o repasse tecnologico para montar as demais seções no Brasil, não tenho noticia de quando será iniciada. Nesse aspecto peço ajuda dos senhores moderadores, sócios e colaboradores do Clube DefesaBr, conseguirem informações a respeito.

    O Diário Oficial da União publicou, em 26 de outubro, lei que abre crédito especial no valor de R$ 2,1 bilhões para a Marinha neste ano. O dinheiro será usado na implementação do Programa de Desenvolvimento de Submarinos. A maior parte dos recursos (R$ 1,4 bilhão) refere-se à parte do pagamento do contrato acertado no início do mês passado com o governo francês, que prevê a construção do primeiro submarino nuclear no Brasil e a aquisição de submarinos convencionais. Além disso, a nova lei determina alterações no Plano Plurianual (PPA 2008-2011) no programa de reaparelhamento marítimo. Ao todo, segundo a lei, o projeto está orçado em R$ 18,7 bilhões, que deverão ser investidos até 2024.
    Para 2009, o projeto inclui R$ 700 milhões que serão utilizados na construção de um estaleiro dedicado à fabricação dos submarinos e de uma nova base naval, capaz de abrigá-los. Na prática, o montante total será incorporado à rubrica do programa de “reaparelhamento e adequação da Marinha do Brasil”, que até então contava com apenas R$ 541 milhões de dotação orçamentária este ano. Entre 2003 e 2009 – até o último dia 20 – a Força marítima aplicou cerca de R$ 1,5 bilhão com a modernização de equipamentos e implantação de novos sistemas bélicos. Com o crédito extra, o reaparelhamento da Marinha contará com o valor recorde de R$ 2,6 bilhões neste ano.

    Cumpriemntos

  27. Estimado Clavis
    Segue algo recente e bem inetressante acerca dos Tubarões da Marinha
    Ps: O diário oficial da união é o jornal oficial do estado onde é publicado tudo, mais tudo mesmo o que o estado brasilerio faz, no brasil isto é obrigado e o estado tem que dizer de onde e para onde e em que artigo será gasto o dinheiro.
    como pode ler

    Segue abaixo uma sinopse do que foi publicado na Diário Oficial a respeito de l.iberação de verbas para o pro-sub.
    > O governo pretende em 20 de janeiro de 2010, lançar a pedra fundamental do estaleiro e da base naval em Itaguaí (RJ), onde serão construídos os submarinos.
    > A Nuclep deve começar a moldar e soldar algumas partes do 1ª “scorpene” segundo alguns comentários que vieram ao meu conhecimento a partir de maio ou junho/2010, porém nada confirmado, a pálpável porém. Tratam-se de partes que a empresa já adquiriu “Know-how” com os 209 alemães, Quanto a seção dianteira desse 1º submarino será construida pela DCNS na França, acompanhada por tecnicos e engenheiros brasileiros que receberão o repasse tecnologico para montar as demais seções no Brasil, não tenho noticia de quando será iniciada. Nesse aspecto peço ajuda dos senhores moderadores, sócios e colaboradores do Clube DefesaBr, conseguirem informações a respeito.
    >
    > O Diário Oficial da União publicou, em 26 de outubro, lei que abre crédito especial no valor de R$ 2,1 bilhões para a Marinha neste ano. O dinheiro será usado na implementação do Programa de Desenvolvimento de Submarinos. A maior parte dos recursos (R$ 1,4 bilhão) refere-se à parte do pagamento do contrato acertado no início do mês passado com o governo francês, que prevê a construção do primeiro submarino nuclear no Brasil e a aquisição de submarinos convencionais. Além disso, a nova lei determina alterações no Plano Plurianual (PPA 2008-2011) no programa de reaparelhamento marítimo. Ao todo, segundo a lei, o projeto está orçado em R$ 18,7 bilhões, que deverão ser investidos até 2024.
    > Para 2009, o projeto inclui R$ 700 milhões que serão utilizados na construção de um estaleiro dedicado à fabricação dos submarinos e de uma nova base naval, capaz de abrigá-los. Na prática, o montante total será incorporado à rubrica do programa de “reaparelhamento e adequação da Marinha do Brasilâ€�, que até então contava com apenas R$ 541 milhões de dotação orçamentária este ano. Entre 2003 e 2009 — até o último dia 20 — a Força marítima aplicou cerca de R$ 1,5 bilhão com a modernização de equipamentos e implantação de novos sistemas bélicos. Com o crédito extra, o reaparelhamento da Marinha contará com o valor recorde de R$ 2,6 bilhões neste ano.

  28. lá estão os 2,2 biliões… é mesmo muito dinheiro…
    obrigado pela informação!

  29. gaitero

    Clavis…

    UM AIP nunca fará o mesmo que um SN. Não adianta teimar…

    Quanto tempo que você acha que um submarino AIP conseguiria navergar a toda velocidade em uma missão de ataque, perseguição a uma força de superfície?

    Quantos dias voce acha que um AIP consegue ficar navegando antes que seu combustivel acabe?

    Ora, não há nem comparação AIP é muito inferior…

    Co relação aos preços…

    Bom, o custo de manutenção de um AIP é muito mais elevado que o custo de um SN. Então no final das contas, deposi de trinta anos esta diferença não será tão grande….

  30. eu não teimo… eu persisto ! ;-)
    “custo de manutenção de um AIP é muito mais elevado que o custo de um SN”
    não digo que não, mas não encontrei boas fontes comparativas…

  31. Tá..então q venha os subNucleares…

  32. Márcio - São Paulo/SP

    Até 2016 ainda tem muito tempo e duas eleições presidenciais. A falta de continuidade nas políticas públicas – inclusive na área de defesa – é uma tônica constante no Brasil. Este submarino já deveria estar navegando se o projeto não tivesse sofrido tantas interrupções. A Marinha do Brasil está trabalhando no projeto desde o fim da década de 1970. Já gastaram bilhões no projeto e tudo o que ficou pronto – excluíndo as centrífugas de processameto de urânio – foi a maquete mais cara do mundo e da história. A culpa não é da Marinha, mas dos governos irresponsáveis e gastões que tivemos até agora.
    A verdade é que os governos – independentemente dos partidos, seja PT ou PSDB ou qualquer outra sigla – falam muito (grandes estardalhaços) e fazem pouco para concretizar o tal submarino nuclear. Há muito palavrório e pouco resultado concreto. O que houve na verdade, foi um abandono irresponsável.
    Duvido que qualquer país (seja França, Rússia, China ou qualquer outro) transfira tecnologia avançada e de ponta na área militar para o Brasil – especialmente, na área nuclear. Os franceses estão oferencendo o casco e o sistema de armas – mais uma sucata como o NAe São Paulo, (ex Foch) ou os Mirage 2000 da FAB. Não estão oferencendo reator. O reator nuclear terá de ser brasileiro – desenvolvido aqui, por técnicos brasileiros. E o reator (mesmo que o governo investisse pesadamente nele – o que nem de perto está fazendo) não ficaria pronto antes de 2020. Até agora foi só palavrório e marketing político junto aos setores nacionalistas. É capaz que gastem mais só para contruir um submarino retórico movido por eloquência e demagogia política.

  33. wantemberg59

    Espero que o governante Brasileiro a prece à construção do submarino nuclear, antes que seja tarde demais para o Brasil! Estamos chegando perto do ano de 2019. Existe uma forte tendência de uma nova crise mundial, que pode acontecer. Em relação aos países do Oriente Médio. Podendo o Irã e Israel ser criadores de um conflito grave. Que podendo se alastrar por toda Europa, oriente médio e Ásia. Alguns países tomaram partido de Israel, e outros tomarão partido do Irã. Só deus sabe a onde isso vai terminar! Quando não houver mais lugares desconta minado pra se viver, todos aqueles que sobraram desse conflito, virão dividir as terras do mundo novo!

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Blog em WordPress.com. The Adventure Journal Theme.

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa.org

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

DIRECT e-DEMOCRACY NOMOCRACY & EQUALITY LAWS..! THE RULE OF LAW

Are we going to allow chinese dictators to own the whole planet?

looking beyond borders

Looking at foreign policy differently

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

Parece piada... fatos incríveis, estórias bizarras e outros micos

Tem cada coisa neste mundo... e todo dia surge uma nova!

O Vigia

O blog retrata os meus pensamentos do dia a dia e as minhas paixões, o FLOSS, a política especialmente a dos EUA, casos mal explicados, a fotografia e a cultura Japonesa e leitura, muita leitura sobre tudo um pouco, mas a maior paixão é mesmo divulgação científica, textos antigos e os tais casos ;)

A Educação do meu Umbigo

Gaveta aberta de textos e memórias a pretexto da Educação que vamos tendo. Este blogue discorda ortograficamente. Contacto: guinote@gmail.com

Promocão e difusão da língua portuguesa

Blogvisão

"Qualidade de informação para qualidade de opinião!"

geoeconomia

Just another WordPress.com site

Egídio G. Vaz Raposo

Media Scholar | Communication Consultant | Trainer

Mudar as coisas...

vivemos no presente, e é nele que devemos mudar. mudarmo-nos é condição necessária para mudar as coisas…

Um Jardim no Deserto

Um minúsculo oásis no imenso deserto físico, mental e espiritual em que se está a transformar Portugal

Extraterrestres ARQUIVO

Seja bem vindo ao Site Extraterrestres Arquivo - Volte Sempre

Muralha Verde SCP

Em prol da defesa e do ataque do Sporting!

Pitacos De Um Torcedor Corinthiano

Louco por ti Corinthians!

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 4.719 outros seguidores

%d bloggers like this: