Debate “A Importância da Lusofonia”

Participei recentemente num debate intitulado “A Importância da Lusofonia”, na secção de Sintra, do PS, em Agualva-Cacém. O debate conheceu uma assistência muito numerosa – para estes tipo de debates – contando na assistência com mais de 30 participantes, um feito para o qual muito contribuiu o esforço organizativo do Filipe Barroso, nosso camarada nas andanças de Campanha de Fernando Nobre e coordenador local da Juventude Socialista.

O debate começou por ser uma apresentação daquilo que é o MIL, da sua escala lusófona, com representantes, membros e sócios honorários provenientes de todas as paragens da lusofonia, da Galiza a Timor, passando por Cabo Verde e pelo Brasil.

Numa segunda parte, foi dada uma passagem global sobre os princípios e objetivos do MIL com especial foco no papel crucial que o pensamento de Agostinho da Silva teve como inspiração para o MIL. Especial foco foi dado sobre a defesa de uma Regionalização Municipalista, a opção por União Lusófona em caso de colapso da União Europeia no desfecho da atual crise económica e de valores que atravessa, de Economias e Moedas Locais, no direto decurso do Municipalismo defendido pelo MIL sob a inspiração da “federação de municípios livres e independentes” de Agostinho da Silva.

Na terceira parte do debate, foi abordada a ação cívica do MIL, desde a petição “Não Destruam os Livros”, apresentada e já debatida na Assembleia da República (tendo estado presente um deputado do PS que era sabedor desta presença), assim como as campanhas do MIL a favor da ONG Ajuda Amiga de envio de livros para a Guiné-Bissau, e em cuja distribuição iremos participar pessoalmente em março e a campanha para Baucau, em Timor.

Apresentámos as mais importantes propostas do MIL, como a Força Lusófona de Manutenção de Paz, o Banco Lusófono de Desenvolvimento e o Passaporte e a Cidadania Lusófona. A intervenção foi concluída com referencias ao Prémio Personalidade Lusófona do Ano de 2009, onde foi agraciado o embaixador Lauro Moreira e um convite à audiência para estar presente no próximo dia 21 de fevereiro na cerimónia de entrega do mesmo prémio a D. Ximenes Belo na Academia de Ciências de Lisboa.

O debate aberto que encerrou este interessante e muito animado encontro versou sobre temas muito polémicos, como o Acordo Ortográfico, o estado do Instituto da Língua Portuguesa, o papel do Brasil no futuro da língua portuguesa, a presença da Galiza na Lusofonia, Portugal e a sua vocação como “território-ponte”, a presença de Portugal na União Europeia e a crise do Euro. Entre vários, destacamos Filipe Barroso (coordenador da JS Local), Eduardo Quintanova (coordenador do PS do Cacém) e Ana Loureiro (ex-deputada).

No global tratou-se de um debate muito aberto, dinâmico e participativo que abordou aquilo que é o MIL, para onde o Movimento objetivo o destino de Portugal e da Lusofonia e onde a necessidade de um reenfoque lusófono da política externa portuguesa e da própria integração das comunidades migrantes lusófonas foram temas especialmente importantes.

About these ads
Categories: Brasil, Lusofonia, Movimento Internacional Lusófono | 5 Comentários

Post navigation

5 thoughts on “Debate “A Importância da Lusofonia”

  1. Otus scops

    “O debate aberto que encerrou este interessante e muito animado encontro versou sobre temas muito polémicos, como o Acordo Ortográfico,”
    olha, deve ser por isto que não me convidaste!
    estou proscrito…

    curiosas as tuas tags: Brasil, Lusofonia, Movimento Internacional Lusófono
    estou a perceber: Lusofonia-Brasil… assim não, obrigado.

  2. Bem, publiquei no meu fb e na pagina do grupo MIL no fb… pensei que não podias ir…

    • Otus scops

      não me apercebi…
      nem daquele evento do lançamento do livro!
      (afinal foram quantos metros e quem ganhou?) ;)

  3. Odin

    “O debate começou por ser uma apresentação daquilo que é o MIL, da sua escala lusófona, com representantes, membros e sócios honorários provenientes de todas as paragens da lusofonia, da Galiza a Timor, passando por Cabo Verde e pelo Brasil.”

    Então não foi um debate só entre portugueses. Com representantes de todos os países e regiões lusófonos, aí podemos ter uma idéia inicial de como uma UL poderia ser vista por cada nação.

    Agora, algumas perguntas de curiosidade.
    1.ª- Como os representantes brasileiros, angolanos, moçambicanos, guineenses, cabo-verdianos, são-tomenses e timorenses reagiram a proposta de uma UL caso a UE entre em colapso? Ninguém discordou? E os galegos?
    2.ª- Em caso de UL, todos os países seriam obrigados a se sujeitarem ao federalismo municipalista? Ou ficaria a critério de cada nação?
    3.ª- E sobre a Força Lusófona de Manutenção de Paz? Todos apoiaram? :)
    4.ª- O Passaporte e a Cidadania Lusófona, estes aqui eu não acredito que houve apoio unânime. Houve?

    Eu imagino que o Acordo Ortografico deve ter causado até troca de insultos. :D
    (Amaldiçoada mudança de ortografia!)

    Sobre o papel do Brasil no futuro da língua portuguesa, é o Brasil ter a sua própria forma de língua portuguesa, e deixar os demais terem as suas. Sou contra Portugal e os demais adotarem a forma brasileira, porque uma língua internacional homogênea fica sem graça. Exemplos:

    Os brasileiros devem continuar conjugando o tempo presente continuo com gerúndio, e os portugueses devem continuar a conjugar com verbo estar + a + verbo no infinitivo.

    Os portugueses devem continuar a falar a palavra “pá” e os brasileiros devem continuar falando a palavra “pô”.
    Exemplo de um português que emigrou para o Brasil e tem um filho brasileiro: O pai pergunta:
    – O que tu tás a fazer cá na cozinha a esta hora, pá?

    O filho responde:
    – Pô, pai! Tô com sede e vim bebê água, pô!

    Brasileiros, embora haja regionalismos, devem continuar chamando aquela bela jovem mulher de “mina gatinha e sarada” e os portugueses de “miúda gira e boazuda”. A diversidade deixa o idioma lindo. Gosto que os tugas tenham as suas próprias gírias como “giro/gira”, “fixe”, “porreiro/porreira”, “puto”, “totó”, “está uma tremenda seca”, “Betinho/Betinha” (no Brasil, “Mauricinho e Patricinha”)… essas diversidades deixam a língua portuguesa animada, interessante. E fenômenos assim existem na língua inglesa, espanhola… Em Portugal se fala gírias giras. Porreiro, pá! :D Irado, animal, cara! :D Viva a diversidade!

    • Otus scops

      “O pai pergunta:
      – O que tu tás a fazer cá na cozinha a esta hora, pá?
      O filho responde:
      – Pô, pai! Tô com sede e vim bebê água, pô! ”

      hihihihihihihih
      :-D

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com. The Adventure Journal Theme.

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa.org

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

PEACEFUL DEMOCRATIC EVOLUTION Do we wait for the Chinese national socialist dictators to own the whole planet? Did we learned nothing from the second world war?

NOMOCRACY: Νομος (Law). The concept was familiar to ancient philosophers such as Aristotle, who wrote "Law should govern".

looking beyond borders

Looking at foreign policy differently

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

Parece piada... fatos incríveis, estórias bizarras e outros micos

Tem cada coisa neste mundo... e todo dia surge uma nova!

O Vigia

O blog retrata os meus pensamentos do dia a dia e as minhas paixões, o FLOSS, a política especialmente a dos EUA, casos mal explicados, a fotografia e a cultura Japonesa e leitura, muita leitura sobre tudo um pouco, mas a maior paixão é mesmo divulgação científica, textos antigos e os tais casos ;)

A Educação do meu Umbigo

Gaveta aberta de textos e memórias a pretexto da Educação que vamos tendo. Este blogue discorda ortograficamente. Contacto: guinote@gmail.com

Promocão e difusão da língua portuguesa

Blogvisão

"Qualidade de informação para qualidade de opinião!"

geoeconomia

Just another WordPress.com site

Egídio G. Vaz Raposo

Media Scholar | Communication Consultant | Trainer

Mudar as coisas...

vivemos no presente, e é nele que devemos mudar. mudarmo-nos é condição necessária para mudar as coisas…

Um Jardim no Deserto

Um minúsculo oásis no imenso deserto físico, mental e espiritual em que se está a transformar Portugal

Extraterrestres ARQUIVO

Seja bem vindo ao Site Extraterrestres Arquivo - Volte Sempre

Muralha Verde SCP

Em prol da defesa e do ataque do Sporting!

Pitacos De Um Torcedor Corinthiano

Louco por ti Corinthians!

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 4.795 outros seguidores

%d bloggers like this: