Defesa Nacional

Não foi noticiado no Ocidente

Não foi noticiado no Ocidente, mas algures em Donbass existe um coluna militar com 68 veículos blindados ucranianos completamente destruída. Não foi noticiado, mas se o leste da Ucrânia não foi retomado pelo governo tal sucedeu por decisão estratégica de permanecer nos arredores das cidades e bombardeá-las, sem entrar e correr o risco de combates porta-a-porta.

O exército ucraniano é altamente corrupto (o seu oficialato nunca é visto na frente de combate) e ineficiente. Apesar de ter uma superioridade numérica e em termos de equipamento esmagadora não conseguiu (ou não quis) retomar o leste e a maior parte das suas ações ofensivas foram protagonizadas por milícias onde os elementos de extrema direita são muito influentes.

A prazo esta Ucrânia não tem futuro. A divisão do país em dois, um membros da NATO e da UE, o outro parte da Rússia (como deseja aliás, a maioria Sá população local) é cada vez mais a melhor opção para todas as partes envolvidas.

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Política Internacional | 2 Comentários

Uma “Reforma do Estado” Lusófona no setor da Defesa Nacional

Nos últimos anos, pelo menos desde começos da década de 1990 que se fala – de forma recorrente e improdutiva – em “Reforma do Estado”. E contudo, apesar de toda a pressão imposta por décadas de défice crónico na execução orçamental, pouco mais se tem feito, além de cortes cegos, reduções de salários e pensões e aumento desbragado de impostos. De “reforma do Estado”, nem sinal.

Só há “reforma do Estado” quando o Estado – entendido aqui enquanto expressão legitimada e participada da vontade da maioria dos cidadãos – decidir que o Estado não é financeiramente sustentável na forma exata em que ele hoje se encontra e se reunir o consenso mínimo (não confundir com unanimismo) e decidir que setores devem ser escolhidos com setores a focar e que setores a entregar a privados, parcerias com públicos e/ou privados ou entidades internacionais.

Estrategicamente, o Estado pós-Revolução é percepcionado (corretamente) pelos cidadãos no políptico Educação-Saúde-Segurança Social-Segurança. As duas primeiras frentes são essenciais à Justiça Social e ao desenvolvimento igualitário da sociedade. Além de aumentos de eficácia (enormes, nas últimas décadas) não se deve tocar nestas frentes estratégicas, já que são, precisamente, os dois pilares centrais do Estado Social (e representam, juntas, hoje menos do que se paga em juros da dívida pública…). Restam dois outros pilares, laterais, mas igualmente importantes: a Segurança Social, lida aqui como o apoio aos mais desprotegidos ou incapacitados que deve ser ponto de charneira em qualquer sociedade desenvolvida e… a Segurança, tida aqui como Interna (Polícias e Serviços de Informação) e Externa (Defesa).

A reforma do Estado que aqui propomos tem precisamente este foco: a Defesa Nacional. Este é um setor responsável por uma parcela muito significativa do Orçamento Geral do Estado (2.138,7 milhões de euros para 2014 ou 3% do OGE) e isto apesar de um desinvestimento mais ou menos generalizado produzido neste setor nos últimos anos.

A proposta que aqui deixamos é a contribuir para a reforma do Estado a partir do desenvolvimento do “braço de defesa” da CPLP e da formação de unidades conjuntas de força aérea e de marinha entre os países da Comunidade. Estas unidades mistas-piloto seriam gradualmente estendidas em número e capacidade até alcançarem a eficácia para que pudessem realizar missões em todos os países da Comunidade lusófona. As poupanças advindas desta integração de meios, de centrais de compras (de aquisições e manutenção) comuns, da gestão racional de meios e de escala entre os países que compõem a CPLP seriam benéficas para todos os países e permitiriam resolver situação de manifesta carência de meios de vigilância área e marítima (nos países africanos lusófonos e em Timor), treinamento básico e avançado (por exemplo, naval e aéreo). Esta “Reforma do Estado” aqui proposta seria profunda, estratégica e produziria um aumento da cooperação lusófona e desse eixo da nossa diplomacia e relações internacionais com um aumento de capacidade (pelo aumento de Escala) isto, simultaneamente, com uma poupança orçamental em todos os países da Comunidade.
Categories: Defesa Nacional, Lusofonia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | Deixe o seu comentário

Os Jihadistas do Mali não são nenhuns amadores e porque não há Drones dos EUA a apoiarem os franceses no Mali?

Os acontecimentos no Mali refletem a ascensão de uma nova ameaça: os combatentes internacionais da Al Qaeda, endurecidos pela experiência combatente em vários cenários (Líbia, Argélia, Síria, Somália, Iraque e Afeganistão) e que hoje convergem para o norte do Mali, eleito (juntamente com a Síria) com as duas prioridades globais da Al Qaeda.

Esta nova geração de combatentes islâmicos é ainda mais perigosa que aquela que as forças da Coligação enfrentaram no Afeganistão: está mais bem armada (graças ao arsenal sem Kadafi), tem experiência de combate e encontra nas muito permeáveis fronteiras malianas um fácil refúgio.

Se estes islamitas conseguirem segurança mínima no norte no Mali para fundarem um Estado Islâmico, é seguro que tentarão exportar a sua revolução para outros países da região e até mais para norte até à Europa…

E não se pense que trata de um grupo de maltrapilho desorganizados, mal armados, sem munições, inexperientes ou mal comandados. O ataque bem sucedido a um campo de gás argelino de Ain Amenas – protegido pelo exército e por seguranças armados – prova a sua capacidade. A necessidade de França reforçar os seus meios no Mali reconhecendo o erro da sua primeira avaliação da ameaça, produz a prova definitiva: os jihadistas do Mali não são uma força fácil de vencer.

França não pode travar esta guerra sozinha, contando apenas com o apoio pouco entusiástico de algumas poucas centenas de milhar de militares de países da ECOWAS (desmotivados e tudo fazendo para evitar a frente de batalha), mas precisa do apoio ativo dos seus aliados ocidentais e, sobretudo, dos drones dos EUA que a partir das bases no Marrocos, Burkina Faso, Mauritania e Niger poderiam compensar a débil cobertura aérea fornecida pela escassa dezena de Rafales que França e Mirage F1 opera a partir da suas bases no Chade.

Fonte:

http://www.spacewar.com/reports/North_Africa_Is_this_al-Qaida_resurgent_999.html

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | Deixe o seu comentário

A França está sozinha no Mali: Sinais de uma cada vez mais flagrante Desunião Europeia (e da cobardia alemã)

Corre em alguns círculos alguma indignação contra este “intervencionismo” ocidental a propósito da entrada no Mali de algumas forças combatentes francesas. Como sempre, há acusações de neocolonialismo mas França tem todas as razões (e mais algumas) para estar no Mali: desde logo, porque há milhares de seus cidadãos vivendo neste país. Depois, porque o governo local pediu a intervenção francesa. Sobretudo, França deveria intervir, procurando por todos os meios impedir que todo o Mali se transforme num Afeganistão, com muitas fronteiras com países da região (Argélia, Mauritânia, Guiné Conacri, Senegal, Costa do Marfim, Burkina Fasi e Níger) pode tornar-se num paraíso para novas radicalizações islâmicas na região, oferecendo bases e apoio logístico e financeiro para que esses países se tornem também eles Estados islâmicos. Se o Mali se tornar num “emirado islâmico”, é a “teoria do dominó” outra vez que volta: tendo em conta que existem fortes comunidades islâmicas nos países da região, nada obsta a que este exemplo fosse seguido por outros, desde logo porque os tuaregues (que formam o cerna da aliança islâmica do Mali) são um povo que cruza as permeáveis fronteiras do Saara com muita facilidade e rapidamente aparecem num ou noutro país, como o fizeram recentemente num ataque a um campo de gás argelino, tomando cerca de 40 reféns ocidentais (a maioria terá falecido a 17 de janeiro num raid da força aérea argelina)

Se o Mali se tornar num Emirado Islâmico radical teremos um exportador de terrorismo para a Europa não muito longe das suas fronteiras e um ponto de desestabilização para toda a região. A covardia alemã, italiana e inglesa num problema que também é seu ilustra o estado presente de Desunião Europeia e a distância que vai das palavras à ação quando se trata de agir. Hollande soube agir quando era necessário e a França vai acabar por inevitavelmente sair por cima desta situação, com ou sem o devido apoio dos seus pífios aliados europeus numa guerra que devia ser de todos. Portugal, inclusive, onde a proximidade da Guiné-Bissau (país cada vez mais islamizado) devia compelir a estar também presente, deslocando meios do distante e não-estratégico cenário afegão.

PS.: Especialmente notória é a ausência alemã nesta crise: como espera a alemanha vir a liderar esta europa, se nos momentos de crise, foge e prima pela ausência? Isto já aconteceu na Líbia e agora, torna a acontecer no Mali. Alemanha: um país cobarde que não está à altura das suas ambições hegemónicas sobre o continente europeu.

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Europa e União Europeia | 4 Comentários

Entrevista ao jornal “O Diabo” do atual primeiro ministro “de transição” da Guiné-Bissau

“Sabemos que é Portugal que está a fazer todo o trabalho de sapa. (…) quando suspenderam a aplicação do novo acordo de pesca sob pretexto de que não havia segurança na nossa ZE, os armadores espanhóis insurgiram-se em força em Bruxelas. (…) dei instruções para que nenhuma licença seja concedida a nenhum barco europeu. (…) neste momento, estamos na iminência de firmar um acordo de pescas com a China e a Coreia do Sul.”

- a desfaçatez destes personagens “de transição” que foram colocados de colo no governo guineense pelos narcomilitares deste país lusófono é espantosa: acusam Portugal de estar a fazer um “trabalho de sapa” contra o seu narcogoverno, eles que pela força das armas e contra todas as leis nacionais e internacionais tomaram o poder, apenas para protegerem os narcotraficantes do exército guineense de uma “reforma” que as forças angolanas da CPLP se preparavam para realizar. Portugal se faz “trabalho de sapa”, fá-lo no cumprimento da Lei e da normalidade democrática, mas não o faz (não tem meios nem vocação para tal) numa “guerra secreta” como sugerem estes farsantes guineenses.

“Ao nível da nossa sub-região temos tido algum apoio. Apoio financeiro da UEMOA e também da Nigéria. A CEDEAO vai-nos apoiar na tarefa visando a reforma dos setores de defesa e segurança. Para além disso, a China está disposta a apoiar a Guiné-Bissau. (…) já recebemos pedidos de empresas chinesas que querem vir investir na Guiné-Bissau em todos os setores: bauxite, Porto de Buba, estradas e infra-estruturas.”

- entreguem os recursos da Guiné aos chineses que eles ficarão em boas mãos, sendo explorados de forma sustentável e com amplos benefícios para sua preservação e para as populações locais. Exemplos desses aliás abundam por toda a África, onde os empresários e empresas chineses têm passado, aliás.

“Recentemente, o presidente interino visitou o Irão, com vista ao reforço da cooperação. O mundo árabe sempre apoio a Guiné-Bissau, especialmente em momentos de apuro.”

- o Irão dos radicais shiitas é outro ponto de apoio importante para um país que pretende reafirmar-se entre o quadro das nações sérias, bem governadas e democráticas, decerto. Aproximem-se da China e do Irão e vejam a credibilidade de um regime colocado no poder pela força das armas e financiado pelos barões da droga colombianos e nigerianos afundar-se ainda mais.

- urge limpar a Guiné-Bissau desta camarilha impune e criminosa, usando a mesma força das armas que a levou ao poder, mas com um mandato internacional – da CPLP e da ONU – com unidades africanas (da sub-região e da CPLP) com apoio logístico, aéreo e naval de Portugal e Brasil e desmantelando totalmente o exercito guineense, levando a tribunais internacionais os seus oficiais e reestruturando o seu exército, marinha e força aérea a partir do zero. E amanhã não será já cedo demais.

Entrevista publicada no Diabo de 13 de novembro de 2012 ao “primeiro-ministro” do governo guineense instalado no poder pelos militares

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Guiné-Bissau, Política Internacional | Deixe o seu comentário

Sobre a “parceria de Defesa” que o governo de Passos cozinha com Espanha

http://4.bp.blogspot.com/_2N5PJD1SDwA/SlTRBIJRfMI/AAAAAAAAEcs/1bngqw8FrOA/s320/img729.jpg

Um governo que se pôs de joelhos perante o germânico império na europa não está obviamente qualificado para defender o supremo interesse nacional na defesa de Portugal nas múltiplas questões territoriais que mantemos com Espanha.

Resulta assim muito preocupante esta “aproximação” promovida pelo atual ministro da Defesa, Aguiar Branco, a Espanha e as suas declarações de “procurar sinergias” entre as forças armadas portuguesas e espanholas. Pior, Aguiar Branco (um ministro famoso entre os militares pelas suas “gaffes” e profundo desconhecimento sobre os temas da Defesa Nacional) levou estas palavras a caminho da concretização: promoveu um encontro, em Madrid (uma escolha que indica bem o que será na prática esta “sinergia”), com o seu homologo castelhano. A agenda foi o “estudo do desenvolvimento de capacidades militares em conjunto, tanto ao nível da UE como da NATO.”

O que está aqui em equação é claro: a entrega de missões de soberania que hoje competem às forças armadas portuguesas a unidades militares espanholas: levados ao extremo (que aparenta estar hoje em perspetiva) teremos navios de guerra e aviões espanhóis a patrulharem as nossas águas, afastando os numerosos arrastões espanhóis que a coberto de indignos “acordos europeus” saqueiam as nossas águas, cobiçam a nossa ZEE junto às Ilhas Desertas ou patrulham a fronteira comum, até na disputada região de Olivença.

Um país não pode entregar a defesa armada do seu território a um exército estrangeiro, especialmente a um com o qual existem tantas questões pendentes ou mal resolvidas: disputas em águas territoriais, extensão da ZEE, ocupação ilegítima dos Concelhos de Olivença, incumprimento grave dos tratados sobre os rios internacionais, genocídio linguístico na Galiza, desequilíbrios comerciais e dumpings diversos. Entregar a Defesa do nosso país é assim uma perfeita imbecilidade, possível apenas naquele que é um dos mais medíocres ministros de um dos governos mais medíocres dos últimos cem anos.

Fonte:
http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=2897305

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | 5 Comentários

O sistema democrático português está bloqueado

Sejamos claros: o sistema democrático português está bloqueado. Os partidos políticos com assento parlamentar partilham entre si o poder (num podre rotativismo “democrático”) e servem mais lobbies, grupos de interesses financeiros e norte-europeus que os cidadãos. A separação entre Eleitos e Eleitores é maior do que nunca, multiplicando-se os casos de “disciplina parlamentar” e de ameaças do Sistema contra deputados que queiram exercer o seu Dever de Consciência.

Em tal clima, o descrédito dos políticos é maior do que nunca. O espaço para populismos vãos ou oportunistas, para um (ainda) mais total sequestro da democracia pelos grupos financeiros ainda maior. O sistema mediático (dependente dos Grandes Interesses e do Bipartido PS/PSD) impede a aparição ou desenvolvimento de qualquer verdadeira alternativa e a Europa aparece cada vez mais como um “Protetor” ou “Império” que um parceiro equitativo e solida.

Uma forma de quebrar este sequestro da democracia pelo partidocracia do bipartido poderia ser – para além do desenvolvimento de movimentos cívicos e políticos – recorrer a algumas das figuras que são (ainda) prestigiadas e respeitadas pelos portugueses: os militares.

Isso mesmo indica uma sondagem recente em que um terço dos inquiridos defendeu a intervenção dos militares. A questão ia mais numa direção de “golpe militar” do que a uma intervenção mais ativa (e pacífica) dos militares na vida política. Curiosamente, são aqueles que já cresceram depois da Revolução de Abril que menos recusam a intervenção militar… os que se lembram do “Verão Quente” estão ainda maioritariamente contra a mesma. Ainda. Mas estarão ainda em 2013 com o maior aumento de impostos da História da Democracia e um inevitável derrapar da execução de um orçamento irrealista e tecnicamente muito mau?

Não se fique contudo aqui com a ideia de que defendemos um golpe militar ou a tomada do Poder pela caserna. Defendemos tão somente que uma das vias de regeneração de um sistema político político encravado pode ser – a par da erupção de novos agentes políticos e da desaparição dos atuais – a presença de militares, mais precisamente de altas patentes na reserva em partidos políticos, candidaturas independentes e, sobretudo, presidenciais, como forma de devolver alguma credibilidade, responsabilidade e eficiência à política e de assim darem o seu contributo para a regeneração da política em Portugal, para estimularem o regresso dos cidadãos a uma vida cívica e política ativa e a saída de Portugal para fora deste abismo onde décadas de governação irresponsável, culposa ou incompetente dos “grandes” partidos o deixaram.

Fonte:
http://www.noticiasaominuto.com/pais/23681/um-ter%C3%A7o-dos-portugueses-defende-interven%C3%A7%C3%A3o-dos-militares#.ULPmROCnX3x

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Política Nacional, Portugal | 8 Comentários

O Brasil vai começar a receber veículos blindados VBTP MR “Guarani”

O exército brasileiro e a Iveco acordaram na compra de 86 VBTP MR veículos blindados de rodas “Guarani”.

Estes 86 veículos serão os primeiros de uma aquisição que chegará às 2044 unidades a serem construidas e entregues ao exército brasileiro a um ritmo de cem unidades por ano.

Simultaneamente, irão ser também adquiridos 4170 camiões e 30 lançadores de mísseis Astros 2020.

O Guarani é o resultado de um desenvolvimento conjunto do exército brasileiro e da Iveco que haveria de resultar num veículo anfíbio blindado de seis rodas capaz de realizar um amplo leque de missões, desde reconhecimento armado, transporte a até suporte de fogo. O Guarani vai substituir os numerosos Urutu e Cascavel da década de 1970 e tem já pelo menos um cliente internacional: a Argentina.

E agora pergunto eu: não seria bom se em vez da Iveco o Brasil tivesse desenvolvido uma variante local do Pandur e que Portugal e Brasil tivessem uma central de compras única, capacitando produção local, desenvolvimento conjunto e aumentando assim a capacidade negocial junto do fabricante?…

Fonte:
http:/www.defpro.com/news/details/38303/

Categories: Brasil, DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Portugal | 4 Comentários

Portugal pode vir a vender oito aviões F-16 à Bulgária

MiG 21 búlgaros (http://www.aereo.jor.br)

MiG 21 búlgaros (http://www.aereo.jor.br)

A Bulgária está à procura de adquirir oito ou nove aviões de combate para incorporarem a sua força aérea a partir de 2014. O negócio deve ficar em torno dos 309 milhões de euros.

Atualmente, decorrem consultas a vários países europeus que possuem aviões excedentários e que poderão vende-los à Bulgária: Holanda, Alemanha, Bélgica, Noruega, Itália e… Portugal que tem aviões F-16 do padrão MLU disponíveis para venda.

Razões de ordem financeira fazem com que a Bulgária não equacione a aquisição de aviões novos, como o Typhoon ou o Rafale.

Fonte:
http://www.spacemart.com/reports/Bulgaria_plans_to_acquire_new_fighter_jets_in_2014_999.html

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional | Tags: | Deixe o seu comentário

O governo português cancelou o remanescente do contrato Pandur II

O governo português cancelou o remanescente do contrato Pandur II, requerendo um reembolso de 55 milhões de euros. O exército português vai assim ficar com as 166 Pandur já entregues, terminando com as modificações em curso em 47 desses veículos, tendo pago por todos estes veículos cerca de 233 milhões de euros.

A decisão de Aguiar Branco vai implicar o cancelamento das últimas 74 Pandur e que a Marinha não irá receber nenhuma das viaturas anfíbias (vinte) que deveria receber. Não é claro como será substituída esta encomenda, nem se serão adquiridas viaturas em primeira ou segunda mão, ou mesmo veículos mais ligeiros.

A decisão de cancelamento deste contrato segue na linha de declarações feitas em agosto onde o governo tinha já alertado o fabricante para a existência de condições que justificavam o seu cancelamento.

Os primeiros veículos foram entregues em 2008, mas houve vários problemas com a qualidade dos Pandur entregues e decorrentes atrasos.

O contrato inicial, assinado em 2005, previa a entrega de 260 Pandur em troca do pagamento de 365 milhões de euros, incluindo um componente de fabricação local.

Fonte:

http://www.defenseindustrydaily.com/general-dynamics-closes-482m-contract-with-portugal-070/

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Portugal | 5 Comentários

General Garcia de Leandro: Sobre o Conceito Estratégico de Defesa Nacional (CEDN) e comentário

General Garcia Leandro (http://imagens.publico.pt)

General Garcia Leandro (http://imagens.publico.pt)

“Depois da aprovação da Constituição de 1976, enquadrante geral dos interesses nacionais, foi criado o Conceito Estratégico de Defesa Nacional (CEDN), aprovado pela primeira vez em 1985 e actualizado em 1994 e 2003. Se a Constituição desenhou o grande quadro legal onde instituições e pessoas se deviam mover, já o CEDN era orientado para as grandes questões da Defesa Nacional, indicando cuidadosamente como se deveria proceder com as componentes não militares da Defesa, sendo seu primeiro responsável o MDN e aprovado em Conselho Superior de Defesa Nacional (CSDN), depois de passar pela Assembleia da República. Verificou-se desde logo que as componentes não militares da Defesa não mereciam o cuidado indispensável dos responsáveis sectoriais do Governo. Foi, ao longo dos anos, uma luta difícil e com pouco sucesso. O CEDN de 1985 foi marcado pelo período da Guerra Fria e pelo seu enquadramento NATO; no CEDN de 1994 já se fizeram sentir as consequências da queda do Muro de Berlim, da implosão da URSS, do Tratado de Maastrich, do novo Conceito Estratégico da NATO (1991), das Operações de Apoio a Paz e das hipóteses do terrorismo internacional; o de 2003 foi naturalmente influenciado pelo emergir catastrófico do terrorismo transnacional (marcado pelo 11 de Setembro), pelo assumir da Segurança e Defesa pela União Europeia, pelos conflitos regionais e pelo novo Conceito Estratégico da NATO de 1999 (poder actuar antes de tempo e fora de área). Pela primeira vez, e pela voz do Dr. João Salgueiro, surgiu a proposta de um Conceito Estratégico de
Afirmação Nacional.

Mas a questão da falta de envolvimento sério com as componentes não militares da Defesa foi sempre continuando. Entretanto, perante o avolumar e a alteração qualitativa das ameaças e vulnerabilidades, os especialistas foram chamando a atenção para que tal conceito necessitava de ser mais alargado, devendo incluir também a Segurança Interna; assim deveria passar a chamar-se Conceito Estratégico de Segurança e Defesa (CESD) ou Conceito Estratégico de Segurança Nacional (CESN), o que veio finalmente a ser aceite pelos responsáveis políticos, solução adoptada também por alguns dos nossos aliados na NATO. Está agora novamente em desenvolvimento o trabalho que nos leva ao CESD ou CESN de 2012. O trabalho tem sido desenvolvido com grande seriedade, primeiro pelo IDN e agora alargado a um grupo multidisciplinar de entidades seleccionadas pela sua competência. Também, como em 2003 (pela primeira vez), tem-se procurado envolver a população nesta discussão que é do interesse de todos Ocorre que continuam a existir problemas muito concretos. O CESD/CESN tem de ser assumido pelo PM, pois o MDN não tem poderes para fazer os seus colegas do Governo cumprirem as decisões tomadas na sua área de responsabilidade. Mas continuamos atrasados, já que deveria existir um Conceito Estratégico Nacional (CEN), mais lato que qualquer dos anteriores modelos; este, sendo plurianual (cerca de 10anos), daria as grandes linhas permanentes onde se iriam integrar os sucessivos Programas de Governo. As questões essenciais da vida nacional estariam assim balizadas, evitando soluções de mudança de Governo, conjunturais, eleitoralistas, improvisações, influenciadas por grupos de pressão, etc. Haveria maior responsabilização,continuidade e possibilidades de controlo.

Se esta é, para muitos especialistas, a solução ideal, já a sua concretização teria muitas dificuldades, pois os Governos (saídos da lógica partidária) podem querer evitar tal compromisso, embora de interesse nacional, e, mesmo, eventualmente, concordando, podem ter muitas dificuldades em a concretizar, pois os interesses nacionais podem já estar subordinados a limitações, de várias origens, impostas pelo exterior. Este é um drama antigo em Portugal, mas há que saber jogar com o ambiente internacional.

Verdadeiramente, o que nos interessaria seria um Conceito Estratégico Nacional (CEN) pela sua abrangência. Qualquer que seja a solução, o novo CESD/CESN/CEN (e há a necessidade de se perceber que se tratam de três patamares diferentes, de três concepções progressivamente alargadas e enriquecidas nas suas obrigações e necessidades) pode ser um trabalho de grande qualidade, mas que, mais uma vez, pode ficar no papel. Pode apenas ser um registo de boas intenções; oxalá, eu esteja enganado.”

Lisboa, 11 de Outubro de 2012

Lisboa, 11 de Outubro de 2012 General Garcia Leandro (R)

Sem dúvida que o conceito lato de “Defesa Nacional” extravasa em muito o restrito âmbito militar. É assim, portanto impensável que o CEN não incorpore todos os restantes segmentos clássicos da governação, para alem do ministério da Defesa. Este envolvimento tem que ser extensivo a todas as camadas da governação e incorporar todas as manifestações de soberania que estão para além da soberania territorial (preocupação clássico dos militares): soberania energética, económica, no campo da agua e dos recursos hídricos e, claro, financeira.

No mundo globalizado em que hoje vivemos a esfera clássica de ação dos Estados foi severamente cerceada na dupla vertente financeira (hoje muitas multinacionais agregam mais riqueza que vários Estados de média dimensão) e operativa (por lobbying e pela perda de credibilidade pública dos políticos). Em resultado, encontramos Estados teoricamente soberanos que vêm a sua suposta soberania efetiva comprimida até se tornar meramente vestigial ou ritual. O poder cada vez mais opressivo e global dos Grandes Interesses económicos e financeiros estabelece as regras e como estas devem ser aplicadas aos Estado, condiciona o curso da vontade popular, livremente expressa em eleições, e transmuta as democracias em aparências ilusórias. Cada vez mais, perante este colapso da soberania efetiva dos Estados estamos perante um “Estado Diminuído” que deixa perder parcelas inteiras de soberania para fora, para estes interesses (quase sempre anónimos e apátridas) que o sorvem, a partir de fora.

Importa assim estender o conceito de Soberania muito para além daqueles que são os seus limites convencionais e como escreve o General Garcia de Lemos no seu texto sobre o CEN, fazer com que este se estenda muito para além daquilo que é convencional, abrangendo a soberania económica, ecológica, financeira e política, onde ela se perdeu ou por forma de transferências não referendadas de poder para Bruxelas, ou por forma de uma crescente demissão dos cidadãos da vida cívica, política ou associativa do seu pais e das suas comunidades.

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Política Nacional, Portugal | 1 Comentário

Sobre a Obsolescência Generalizada dos meios de patrulha da Armada e o cancelamento de seis dos oito NPO2000

Fragata Bartolomeu Dias (http://www.areamilitar.net)

Fragata Bartolomeu Dias (http://www.areamilitar.net)

Portugal está prestes a ver reconhecido o alargamento da sua área de jurisdição no Atlântico, resulta assim irónico e paradigmático que seja precisamente agora que o Governo tenha anunciado o congelamento dos programas de re-equipamento da Armada que eram essenciais ao cumprimento das suas missões.

A desculpa é – como sempre – a questão financeira e a solução “temporária” parece ser o “aproveitamento de sinergias com entidades internacionais (NATO?) E outros países (Espanha?)”.

Comparativamente com os outros ramos, e apesar das duas fragatas Bartolomeu Dias e das três Vasco da Gama, a Marinha tem meios de patrulha muito abaixo (em quantidade, capacidade e modernidade) àquilo que corresponde a exigência imposta pela extensão da zona marítima nacional: o recente cancelamento da construção de seis dois oito navios de patrulha oceânica que deviam tomar os lugar dos mais obsoletos patrulhas e corvetas da Armada vem agravar este desequilibro entre o Deve e o Haver.

Estamos em vésperas de alargar a Plataforma Continental dos atuais 1,7 milhões de quilómetros quadrados para os 3,8 milhões de quilómetros quadrados e tenha-se em conta que mesmo com “só” 1.7 milhões já tínhamos a 11 maior região marítima de águas jurisdicionais! Sem patrulhas nem corvetas dignas desse nome, como assumir a responsabilidade por uma região por onde passa 53% de todo o comércio externo da União Europeia? E não, usar as cinco fragatas e os dois submarinos não é opção: simplesmente não são meios economicamente eficazes para essas missões de patrulhamento e vigilância. Nem são em quantidade suficiente para tais missões numa área jurisdicional tão extensa, de resto.

Fonte:
http://www.publico.pt/Pol%EDtica/serie-mar-portugues-tanto-mar-para-tao-pouca-marinha-1566092

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Política Nacional, Portugal | 4 Comentários

Cancelados todos os NPO2000 por construir, assim como as lanchas de fiscalização, mas o NavPol tem condições para avançar…

O Governo revogou o contrato de construção dos NPO2000 que a um custo de 50 milhões de euros cada deviam substituir os patrulhas e corvetas que com mais de 40 anos cumprem hoje de forma muito limitada as suas missões de vigilância e soberania no Mar português para grande gáudio das frotas espanholas de arrastões e dos traficantes internacionais de droga. Revogado foi também o contrato para a construção de cinco lanchas por cem milhões de euros que deveriam substituir os vetustos patrulhas da classe Cacine. Mantém-se apenas a finalização do segundo patrulha oceânico NRP Figueira da Foz, e do primeiro, o NRP Viana do Castelo, já na Marinha em 2011 mas ainda sob período de garantia. São assim cancelados os NRP Sines, Ponta Delgada, Funchal e Aveiro que estavam inicialmente planeados

Mas nem tudo são más notícias… o Governo aprovou a aquisição do projeto (por um máximo de 25.5 milhões de euros) do projeto do Navio Polivalente Logístico (NavPol), que os Estaleiros de Viana do Castela receberam da HDW como contrapartida dos dois submarinos. O NavPol, que agora dá finalmente um passo importante para o arranque da sua construção, será uma adição importante ao inventário da Marinha com os seus 162 metros de comprimento e capacidade para transportar até 650 fuzileiros, o navio será uma excelente plataforma de projeção de forças para missões humanitárias ou no estrangeiro, algo que que Portugal nunca teve no seu inventário e que está apenas ao dispor da maioria das grandes armadas do globo. Além da força embarcada de fuzileiros, o NavPol terá ainda até seis helicópteros Lynx e ate 22 viaturas ligeiras, podendo movimentar-se a uma velocidade máxima de 19 nós. Agora, Portugal tem este projeto… Veremos quando terá os 230 milhões de euros necessários à sua construção.

Fonte:
http://www.cmjornal.xl.pt/noticia.aspx?contentID=03448448-EA59-4C6B-9152-10294BEB53B0&channelID=00000021-0000-0000-0000-000000000021

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Política Nacional, Portugal | 2 Comentários

Portugal pode vender aviões F-16 à Roménia

MiG-21 Lancer que os F-16 portugueses poderiam substituir (http://www.roaf.ro)

MiG-21 Lancer que os F-16 portugueses poderiam substituir (http://www.roaf.ro)

Um grupo de peritos romenos esteve em Portugal nas ultimas semanas estudando a possibilidade deste país da NATO adquirir os aviões F-16 que Portugal tem à venda já há vários anos, sem sucesso. Outros países, como o Paquistão, já demonstraram idêntico interesse, mas a hipótese romena parece atualmente a mais provável.

Sobre a mesa estará uma esquadrilha dez aeronaves que poderia substituir uma parte da vetusta frota romena de MiG-21bis, modernizados com auxílio israelita, mas que agora ao fim de mais de 40 anos de uso se mostram completamente inadequados para uso numa força aérea integrada na NATO. Sabe-se que os romenos já sondaram a Holanda e os EUA, em busca de aparelhos F-16 usados, mas os preços tê-lo-ão dissuadido, agora, com Portugal na situação em que está poderão ter mais sorte… e Portugal pode assim encaixar perto de 600 milhões de euros.

Segundo fontes romenas, a equipa terá ficado muito satisfeita com as condições em que se encontravam os aparelhos portugueses e depois dos falhanços nas negociações com a Holanda e os EUA era muito provável que este negócio fosse mesmo para a frente. Outra vantagem seria o facto destes dez aparelhos incluírem o kit de upgrade MLU…

Com esta venda, a Força Aérea passaria de 38 aparelhos F-16, a apenas 28, uma redução apenas formal, já que efetivamente estes aparelhos não se encontravam em uso operacional.

Fonte:
http://economico.sapo.pt/noticias/romenia-quer-comprar-cacas-f16-portugueses_150883.html

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Portugal | Tags: | 5 Comentários

Os dois navios de combate à poluição (NCP) encomendados pelo Governo em 2004 continuam por construir

Projeto NCP (http://www.envc.pt)

Projeto NCP (http://www.envc.pt)

Em 2004, no rescaldo do incidente na Galiza com o petroleiro “Prestige” de 2002, o governo de Barroso-Portos haveria de tomar a decisão (correta) de encomendar aos Estaleiros de Viana do Castelo a conceção e construção de dois “Navios de Combate à Poluição” (NCP). Desde então, gastaram-se mais de 18 milhões de euros no projeto do NCP sobretudo na compra de materiais e (menos) na adaptação do projeto dos NPO2000 para esta função. Os dois NCP deveriam custar ao Estado Português cerca de 100 milhões de euros mas seriam os primeiros meios do tipo ao dispor da Marinha numa das costas mais movimentadas da rotas marítimas que servem o continente europeu e, além do mais, representariam um importante “balão de oxigénio” para os Estaleiros (que embora em processo de privatização continuam a ser estatais). Curiosamente, os NCPs foram concebidos não para serem “apenas” navios de combate à poluição podendo ser usados também em missões de patrulhamento, graças ao canhão embarcado de 40 mm (idêntico ao dos NPO2000).

Infelizmente, a construção dos navios está suspensa desde 2004… Petroleiros gigantes continuam a passar todos os dias pela costa portuguesa colocando em grave risco um dos grandes recursos económicos do país: o Turismo, hoje 11% do PIB, 15% futuramente nos planos do governo… Segundo parece esta prioridade não é prioritária para o Governo tendo em conta o estado (parado) da construção destes navios… Uma das saídas para este impasse – no presente clima de draconiana contenção orçamental – poderia ser a ajuda europeia. Atualmente, a Agência Europeia de Segurança Marítima (AESM) tem a responsabilidade no quadro europeu por estas missões, e em 2007 requisitou a construtores europeus três navios de combate à poluição, que se somaram aos nove já operacionais. Em 2007, nesta frota europeia constava já o “Galp Marine” que baseado em Sines cumpria missões de combate à poluição por todo o continente europeu, algumas delas no norte da Europa. Normalmente, o navio está em Sines, podendo ser usado rapidamente caso surjam emergências na nossa costa, mas é um recurso limitado e muito especializado a um dado tipo de poluição…

Uma das maiores marinhas europeias, a francesa possui atualmente 4 navios de combate à poluição (classes UT710 e UT711), para operar naquela que é a segunda maior ZEE do mundo (precedida apenas pela dos EUA), com uns impressionante 11,035,000 km2. Portugal tem a décima (contando com o pedido de extensão de 2009), com uns muito notáveis 3,877,408 km2, mas temos das rotas mais movimentadas no globo… com petroleiros a atravessarem constantemente as nossas águas, enquanto que a maior parte das águas francesas se situam nos territórios ultramarinos, em regiões de fraco tráfego marítimo. Assim, dois NCP poderiam não ser inadequados. Esses meios, de resto, poderiam ser construídos em Portugal, no modelo previsto (NCP), e depois alugados à Agência Europeia de Segurança Marítima (EMSA), juntando-se ao “Galp Marine” e ao velho NRP “Bacamarte”, o único navio da Marinha com capacidade de combate à poluição do mar, uma lancha de desembarque adaptada

Fontes:
http://www.publico.pt/Pol%EDtica/governo-gastou-18-milhoes-em-navios-de-combate-a-poluicao-que-estao-por-construir–1557820
http://pt.wikipedia.org/wiki/Prestige
http://pt.wikipedia.org/wiki/Classe_Viana_do_Castelo
http://www.turismodeportugal.pt/portugu%C3%AAs/Clipping/Pages/Tecnologiass%C3%A3ope%C3%A7acrucialparaoTurismonacional.aspx
http://www.incineracao.online.pt/poluicao-do-mar-europa-precisa-de-mais-navios
http://www.revistademarinha.com/index.php?option=com_content&view=article&id=1391:espadarte-2009&catid=101:actualidade-nacional&Itemid=290
http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_current_French_Navy_ships
http://www.envc.pt/marinha/ncp2000/ncp2000.htm

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Ecologia, Economia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal, união europeia | Deixe o seu comentário

Ao que parece, as forças armadas vão ter continuar a usar as vetustas G-3 por ainda mais algum tempo…

Ao que parece, as forças armadas vão ter continuar a usar as vetustas G-3 por ainda mais algum tempo… isso decorre do cancelamento do concurso de 80 milhões de euros para o equipamento das Forças Armadas de armas ligeiras. O cancelamento justifica-se tendo em conta a grave situação do país.

Desta forma a substituição de mais de 16 mil armas ligeiras, 27 mil G-3 e mais de 4 mil pistolas já não irá ter lugar. Recordemos que este processo arrancou em 2007 mas ficou num impasse desde então.

O argumento financeiro é compreensível, mas estranha-se muito quando Aguiar Branco, para justificar este cancelamento acrescenta que as contrapartidas que estavam previstas (e que naturalmente passavam pela exigência de um componente nacional na fabricação das armas ou um seu equivalente) são “atualmente consideradas violadoras dos princípios consagrados no ordenamento jurídico da União Europeia”. Ou seja, vamos tornar a sacrificar Portugal em favor de empresas europeias de armamento e prescindir de contrapartidas, entendi bem? É assim que a nossa “amiga” Europa quer que paguemos a dívida externa?

Recordemos que recentemente o Governo também cancelou o contrato de aquisição de 10 helicópteros NH90 que valeria perto de 420 milhões de euros. Os helicópteros são também europeus, como seriam muito provavelmente as armas do Exército, pelo que a declaração sobre o fim das contrapartidas pode encontrar aqui a sua explicação: procurar aplacar a ira europeia (e a penalização por incumprimento) entregando de mão beijada as contrapartidas das armas a um qualquer fabricante europeu (provavelmente alemão);

Fonte:
http://www.publico.pt/Pol%EDtica/defesa-anula-concurso-para-a-substituicao-das-g3–1557630?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+PublicoRSS+%28Publico.pt%29

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Portugal | 8 Comentários

Sobre o “Projeto Caetano” (Salvador Caetano-EADS)

O Governo assinou a renegociação do contrato de contrapartidas com a EADS (Airbus Military) originalmente pensado para o A400M. Esta renegociação vai permitir o arranque de um projeto que vai rondar os 75 milhões de euros e que poderá criar cerca de 800 postos de trabalho (diretos e indiretos). Com este projeto (a que se somam os da Embraer e da OGMA) pode começar a falar-se de um pequeno “cluster aeronáutico” português… Contudo, há que obter mais dados sobre este contrato já que Santos Pereira (mau sinal…) mencionou que este projeto “se enquadra perfeitamente no nosso desígnio nacional que é reindustrializar o País, apostar no sector produtivo e na exportação”.
Mas então em que consiste exatamente este “Projeto Caetano”? Peças para o A400M? Para o Typhoon? Mas se Portugal não tem nos seus planos adquirir nem os caros Typhoon para substituir os F-16… É certo que em 2015 esses aviões terão já mais de trinta anos de serviço, ou seja, as fuselagens estarão já demasiado enfraquecidas para permitir um uso em segurança. Em teoria, se não fosse a crise financeira, já deveríamos estar a procurar um sucessor, em que o Typhoon poderia ser uma opção, mas a 90 milhões de euros por unidade, é melhor esquecer… e o F-35 (para cima de 190 milhões, então é melhor mesmo nem falar. Embora seja o sucessor “natural” do F-16). Provavelmente, a opção financeiramente mais sustentável seja o Gripen sueco (40 a 60 milhões) ou o Rafale (60 milhões). Mas nenhuma destas opções económicas é da EADS. Apesar da EADS ter de facto 46,32% do capital da Dassault poder favorecer o Rafale, no contexto deste contrato… Será então o Rafale, via contrato EADS-SC e presença da Embraer em Portugal o sucessor do F-16?… De qualquer forma, espero que este contrato não venha a colocar em causa o KC-390 e que este aparelho não seja agora substituído pelo A400M, bem mais caro e difícil de manter que o aparelho brasileiro!
Fontes:
Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Economia, Portugal | Deixe o seu comentário

A IAF optou pelo Alenia Aermacchi M-346 Master

Alenia Aermacchi M-346 Master (http://www.aereo.jor.br)

Alenia Aermacchi M-346 Master (http://www.aereo.jor.br)

A IAF optou pelo Alenia Aermacchi M-346 Master para substituir o atual McDonnell Douglas A-4 Skyhawk nas funções de treinamento avançado. Segundo responsáveis da força aérea israelita, o M-346 combina caraterísticas do F-15, F-16 e do Eurofighter, algo que não acontecia com o T-50 sul coreano. Outro ponto de vantagem foi o facto do M-346 ter dois motores, enquanto o T-50 tinha apenas um. Essas caraterísticas são decisivas para preparar de forma a preparar a chegada dos F-35 à IAF.
A substituição do Skyhawk era cada vez mais urgente, não somente devido ao facto do avião ter já mais de quarenta anos, mas também (e sobretudo) devido ao facto de utilizar tecnologia muito desfasada em comparação com os aviões mais modernos da IAF, um abismo que iria aumentar ainda mais com a receção dos F-35. O M-346 tem também a vantagem de ter sido concebido desde o início como treinador avançado, ao contrário do Skyhawk.
Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional | Tags: | 3 Comentários

Um Plano Lusófono para a Estabilização da Guiné-Bissau

A Guiné-Bissau tem sido nas últimas décadas fonte constante de golpes de Estado, assassinatos de figuras públicas e usurpação da vida política e cívica por grupos de narcotraficantes armados e fortemente infiltrados no exército que sequestraram a democracia e o povo guineenses. Urge agir, rapidamente e de forma decisiva e esta ação deve ser protagonizada pela única entidade internacional que é realmente isenta – na densa teia de interesses regionais que rodeia a Guiné-Bissau – e tecnicamente e militarmente capaz de fazer localmente a diferença: a CPLP.

Por essa razão, propomos este “Plano Lusófono para a Estabilização da Guiné-Bissau”:

1. Objetivo

O objetivo do Plano Lusófono de Estabilização (PLE) consiste em – num prazo de 24 meses a partir da sua implementação – resolver a permanente instabilidade politico-militar que se vive de forma crónica e aparentemente insanável.

2. Protagonistas

A execução deste Plano deve competir à CPLP, enquanto entidade internacional imparcial e independente no conflito interno guineense. Em particular, os Estados que compõem a Comunidade têm os meios militares e policiais suficientes para estabilizar a Guiné-Bissau.

2. Execução

2.1. A CPLP enviará – com caráter de urgência – uma missão de observadores militares para a Guiné-Bissau com o objetivo de avaliar a situação local e realizar recomendações que conduzam à estabilização deste país lusófono.

2.2. Esta missão de observação militar da CPLP devera ajuizar se a Comunidade deve apelar ao Conselho de Segurança da ONU que autorize a uma missão de paz na Guiné-Bissau.

2.3. Se a recomendação da Missão Militar da CPLP for no sentido de uma intervenção de estabilização na Guiné-Bissau, a Comunidade Lusófona deve assumir a organização e envio de uma Força Lusófona de Paz, constituída por elementos de todos os ramos das forças armadas dos países da CPLP e que terá como primeira missão o desarmamento de todos os militares do exército da Guiné-Bissau.

2.4. O desarmamento e inativação do exercito da Guiné-Bissau será a primeira fase de uma reforma profunda das forças armadas deste país lusófono a que se seguirá a passagem à reforma de todos os oficiais com patente superior à de capitão, independentemente da sua idade ou condição física.

2.5. Durante a fase de reforma das forças armadas guineenses, a Defesa da soberania e dos interesses internacionais da República serão asseguradas pela força lusófona de Paz.

2.6. Após a reforma do oficialato guineense,  serão desmobilizados todos os militares,  sem prejuízo do seu vencimento e regalias que serão assegurados pelos países da Comunidade Lusófona.

2.7. Logo que esteja concluída a desmobilização do exercito, terá início a formação de um novo exercito,  seguindo o modelo de “guarda nacional”, paramilitar e sob estreito comando das autoridades civis e democraticamente eleitas do país.

2.8. O processo de seleção dos novos elementos da Guarda Nacional Guineense será cuidadosamente conduzido pelas forças da CPLP,  procurando identificar e repelir elementos ligados ao narcotráfico, crime organizado ou a grupos ligados ao oficialato que foi reformado em fase anterior do processo de estabilização.

2.9. As novas forças armadas terão cerca de metade do contingente atual,  nunca excedendo os dois mil homens e nao tendo meios pesados à sua disposição, mas apenas armamento ligeiro. Haverá contudo um acordo de defesa com os países da CPLP que assim assegurarão a complementaridade da Defesa deste país lusófono.

2.10. Um processo de reforma idêntico será realizado tendo como âmbito a reforma da policia nacional guineense, contemplando a sua reforma,  treinamento e enquadramento com forças policiais dos países da CPLP.

Por outro lado, já subscreveu a http://peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=cplpgb ?

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Guiné-Bissau, Lusofonia, Política Internacional, Política Nacional | 12 Comentários

Divergências entre a CPLP e a CEDEAO quanto à crise na Guiné-Bissau

Guiné-Bissau (http://www.didinho.org)

Guiné-Bissau (http://www.didinho.org)

O ministro dos negócios estrangeiros de Angola, Georges Chicoti, falando em nome do conselho de ministros da CPLP que recentemente se reuniu em Lisboa para debater a situação na Guiné-Bissau, declarou que a CPLP não alinha com a posição da CEDEAO quanto à crise guineense.

A divergência entre as duas comunidades reside na aceitação por parte da CEDEAO de permitir que o parlamento de Bissau escolha um Presidente da República para exercer essa função durante um ano. A posição da CPLP é de que apesar de existir alguma sintonia entre as duas organizações: “A CEDEAO no seu comunicado de 17 de abril reitera o princípio da tolerância zero contra o golpe de estado (realizado na Guiné-Bissau a 12 de abril). Cremos que esses princípios, para nós ao nível da CPLP, continuam a ser válidos”, existe uma grande divergência no que concerne à total liberdade de movimentos do presidente da república Raimundo Pereira e do Primeiro Ministro Carlos Gomes Júnior na Guiné-Bissau e, sobretudo, quanto à aceitação pela CEDEAO de que exista um “período de transição de 12 meses” com a escolha de um novo Presidente da República pela Assembleia Nacional Popular (ANP) da Guiné-Bissau. Essa aceitação implica uma conformação com a situação de Golpe de Estado e legitima diretamente a ação dos golpistas, algo com que a CPLP não está disposta a pactuar (ao contrário da CEDEAO) e que no futuro abriria autorização e espaço para mais golpes de estado militares como aqueles que têm caraterizado este país lusófono desde o fim do regime de partido único.

Neste concreto, como na sua primeira reação, a CPLP está a agir de forma correta. Falta-lhe contudo “músculo” e mais assertividade, sendo hoje mais importante do que nunca subscrever a http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=cplpgb

Fonte:
http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=551018&tm=7&layout=121&visual=49

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Guiné-Bissau, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | 8 Comentários

Sobre a criação do “exército do Benelux” e das lições que a CPLP poderia aqui tirar

Decorrem a bom ritmo as negociações para transformar os exércitos da Holanda,  da Bélgica e do Luxemburgo numa força unificada: o Exército do Benelux. Uma das primeiras forças a unificar serão os para-quedistas que brevemente começarão o treinamento conjunto. De seguida, será integrado o treinamento das forças aéreas e a seguir, será o equipamento da força aérea a ser unificado.

Os países do Benelux desenvolveram já contactos com países fronteiros como a Noruega, a Dinamarca e o Reino Unido para estenderem mais este processo de integração das forças de defesa do centro da Europa.

Este processo de integração vai permitir aumentar a eficiência dos meios de defesa europeus que hoje em dia desperdiçam muitos recursos em redundâncias de comando e equipamento. Em particular,  esperam-se grandes poupanças por exemplo na utilização de um substituto único para o F-16 que os três países hoje utilizam. As poupanças em treinamento (nomeadamente pela existência de uma frota unificada de treinadores e simuladores), compras em escala de aparelhos,  peças e manutenção seriam consideráveis.

Esta experiência deve ser seguida atentamente… Um modelo semelhante poderia ser seguido nos países da CPLP ou pelo menos entre aqueles que têm necessidades em equipamento de Defesa de maior escala, como Portugal, Brasil e Angola. As vantagens financeiras de manter, adquirir e operar em conjunto equipamentos militares mais sofisticados, como aviões de combate ou navio de guerra modernos seriam tremendas e muito consideráveis numa comunidade unida por mar e ar e onde as necessidades de vigiar zonas marítimas de grande extensão e proporcional riqueza.

Fonte:
http://www.defencetalk.com/benelux-army-in-the-making-41798/

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Lusofonia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | 29 Comentários

O presidente da República de Cabo Verde ao regressar da última cimeira da CEDEAO defendeu que a força desta comunidade regional devia ser “inclusiva”, no sentido de que deveria incluir forças de outras entidades transnacionais, como a CPLP

O presidente da República de Cabo Verde ao regressar da última cimeira da CEDEAO defendeu que a força desta comunidade regional devia ser “inclusiva”, no sentido de que deveria incluir forças de outras entidades transnacionais:
A CEDEAO entendeu que deveria criar uma força na África Ocidental. Mas esta força é também inclusiva, pois é criada em concertação com a União Europeia, União Africana, Nações Unidas e CPLP, bem como até pelos Estados Unidos e França, que fornecerão outro tipo de apoios”. Portugal surge ausente desta lista, ainda que um país sem ligações ao território (mas ambições históricas) como França apareça em destaque nesta declaração do Chefe de Estado caboverdiano. A esta lista, o governante somou ainda o Brasil: “Há questões de pormenor, de força, de ajustamentos. Por exemplo, não está excluída a participação do Brasil nos esforços de intervenção. Mas se me fala de Angola, havendo lá o problema da Missang que já esteve e vai sair, não estará excluída, como país africano ou da CPLP, mas talvez se deva perceber que seria mais fácil estarem tropas de outros países”.

Poderá chocar a alguns a ausência de Portugal nesta lista, e outros acusarao caboverdianos e guineenses de ingratidao, mas concordamos que Portugal (assim como França) deve estar afastado de uma presença militar direta nesta força multinacional de interposicao: existem ainda demasiados equivocos historicos datados da época da Guerra do Ultramar e a presença portuguesa no território – ainda que pudesse ser bem acolhida pela maioria da população – acicataria os animos mais violentos do narcoexercito guineense e poderia contribuir mais para o agravamento do conflito do que para a sua solução. Contudo, Portugal deve disponibilizar as forças que já tem na região (uma fragata, uma corveta, um navio abastecedor e um avião de reconhecimento) para dar apoio aéreo e naval a essa força multinacional. Não defendemos a presença de militares portugueses no terreno (excepto para resgatar portugueses, em caso de ameaça à sua integridade física), mas a sua presença como apoio de retaguarda, suporte logístico e até para eventuais operacoes especiais pode vir a fazer toda a diferença num conflito onde a presença dominante dos reputadamente incompetentes militares nigerianos não augura nada de bom.

Entretanto, em apoio desta presença da CPLP nesta força de interposicao na Guiné-Bissau, já assinou esta Carta Aberta do MIL? http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=cplpgb

Fonte:
http://asemana.sapo.cv/spip.php?article75604&ak=1

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Lusofonia, Movimento Internacional Lusófono, Política Internacional | Tags: , | 4 Comentários

A Força de Reação Imediata (FRI) das Forças Armadas portuguesas já está a caminho dos mares da Guiné-Bissau

http://pt.euronews.com

Portugal vai apresentar ao Conselho de Segurança da ONU (para onde foi eleito graças ao apoio dos países lusófonos) a proposta para o envio para a Guiné-Bissau de uma força de interposição. Esta força é o resultado de uma proposta realizada pela CPLP na sua última reunião de Conselho de Ministros. O que ficou combinado por todos os países membros da Comunidade foi que todos contribuiriam com meios militares para essa força conjunta estando os detalhes a ser agora negociados. A declaração da CPLP de passado sábado incluía também a referência de que essa força lusófona seria “articulada com a CEDEAO (Comunidade Económica dos Países de África Ocidental), a União Africana e a União Europeia”. Ou seja, abrindo a porta à presença de forças militares dos países que se situam próximo da fronteira com a Guiné-Bissau como a Nigéria ou o Senegal.

A Força de Reação Imediata (FRI) das Forças Armadas portuguesas, composta por uma fragata, uma corveta e um avião P-3 Orion, que está a caminho de Cabo Verde não tem ainda missão definida, tendo por enquanto como objetivo apoiarem a eventual recolha dos emigrantes portugueses nesta país lusófono.

A primeira consequência da movimentacao da FIR foi a interdição do espaço aéreo e marítimo da Guiné-Bissau ao todo o “tráfego proveniente do estrangeiro”, numa alusão evidente à aproximação da força militar portuguesa e deixando assim uma ameaça difivil de cumprir pela escassez de meios aereos e navais da Guiné-Bissau, mas que tem um valor simbólico muito claro e que indica que qualquer presença de militares portugueses no terreno, para resgatar cidadãos portugueses ou de países amigos poderá ser acolhida de forma violenta pelos militares guineenses. Os golpistas guineenses acrescentam que “qualquer operação de entrada no país” (terrestre ou aérea) “só se efetuara com uma autorizacao prévia do Estado-maior, mediante a apresentacao dos planos e objetivos dessa operação”. Os golpistas acrescentam a ameaça que o incumprimento deste aviso “implicará automaticamente uma resposta militar já instruída para o efeito”. Neste discurso agressivo, os militares estão a ser apoiados por um grupo de partidos minoritários que formou um chamado (não muito original) “Conselho Nacional de Transição” que se pretende substituir na governacao da Guine-Bissau aos dois partidos mais votados: o PAIGC e o PRS, aproveitando assim o golpe militar para ganharem o poder que as urnas reiteradamente lhes negaram e confirmando assim toda a ilegitimidade e anti-constitucionalidade deste dito “conselho”. Fiéis ao seu “dono” estes partidos criticam o envio de uma força de interposição…

Como defende ESTA carta aberta do MIL.

Fontes:
http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Palops/Interior.aspx?content_id=2421720&page=2
http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Palops/Interior.aspx?content_id=2421370
http://economico.sapo.pt/noticias/militares-portugueses-ja-partiram-para-a-guinebissau_142552.html

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Lusofonia, Política Nacional, Portugal | Tags: | 7 Comentários

Sobre a necessidade imperativa e urgente de estabilizar militarmente a Guiné-Bissau

O último golpe de estado militar na Guiné-Bissau é apenas o último de uma sucessão aparentemente interminável de intentonas e golpadas militares que assolam regularmente este país lusófono desde o fim do regime monopartidário do PAIGC.

A última golpada militar teve lugar há alguns dias quando por volta das oito horas da noite algumas dezenas de militares armados com AK-47 e RPG-7 atacaram a residência do primeiro-ministro e candidato presidencial do PAIGC Carlos Gomes Júnior. Vários foguetes terão sido lançados contra as paredes da residência e houve troca de tiros, aparentemente entre polícias e paraquedistas que defendiam o edifício e os militares golpistas. Sem que se saibam detalhes, os defensores parecem ter-se rendido, abandonando as instalações sem serem detidos, já que o primeiro-ministro está agora detido num quartel a cerca de 60 kms de Bissau.

Como é usual neste tipo de eventos, as rádios foram ocupadas ou silenciadas e o mesmo aconteceu à sede do maior partido guineense, o PAIGC.

Na direta razão deste último golpe militar estão as declarações do antigo presidente (ironicamente deposto, também ele, num golpe militar) e agora candidato presidencial, Kumba Yala que terá apelado ao boicote militar na segunda volta das eleições… Estas declarações, contudo, não teriam sido suficientes para fazer eclodir este golpe, o qual encontra de facto as suas maiores motivações no fim abrupto da missão militar angolana na Guiné-Bissau, a MISSANG.

Os eventos que precipitaram o golpe terão começado em 3 de abril, quando num conselho de ministros, o Governo guineense decidiu manter em solo guineense a missão militar angolana de apoio à reforma dos setores de Defesa e Seguranca guineenses, recusando assim ceder às pressões das chefias militares que então já se faziam sentir de forma particularmente aguda. Nesse conselho de ministros, ter-se-á mesmo decidido expandir o âmbito da missão angolana, dotando-a de meios e objetivos mais amplos e que passariam inclusivamente… pela defesa das instituições democraticamente eleitas e, caso de golpe militar. Mas no dia seguinte, tudo parece ter sido anulado, com um recuo governamental em toda a linha às pressões dos militares: ao contrário do previsto, os 200 militares angolanos já não receberiam – como previsto – o seu armamento individual nem haveria extensão alguma do seu quadro de missão. Confrontado com esta inesperada cedência, Eduardo dos Santos terá dado ordem para o cancelamento total da MISSANG e decretado o regresso de todos os militares angolanos a Luanda.

Em suma: as chefias militares guineenses só estão dispostas a tolerar a presença de militares estrangeiros no seu solo desarmados e desprovidos de um mandato que possa interferir com o seu poder absoluto e liberdade plena para anularem ou suspenderem a democracia a seu belprazer, capricho ou em defesa das suas ligações ao narcotráfico colombiano e nigeriano que hoje recruta varias altas patentes guineenses, autênticos “senhores da guerra” completamente independentes e mais fiéis às máfias nigerianas e colombianas que à República Guineense.

Os militares guineenses parecem assim irredutiveis nos seus objetivos de se manterem acima de toda a legalidade e – devida – submissão ao poder político democraticamente eleito.

Chegados a este ponto, os comandos militares guineenses provam que só resta uma saída para este país lusófono e que esta passa pela total desmobilização do exercito guineense.

Recordemos assim Francisco Fadul, antigo primeiro ministro da Guiné-Bissau e ex-Presidente do Tribunal de Contas que em 2009 defendeu o envio de uma força lusófona de estabelecimento de paz (que tecnicamente teria uma missão mais alargada que uma missão de “manutenção de paz”) e que fosse capaz de garantir a vigência da legalidade e da constituição guineense.

Urge assim organizar rapidamente a Força Lusófona de Manutenção de Paz e trabalhar em prol da Construção de um Estado de Direito Democrático na Guiné-Bissau.

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Lusofonia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | Tags: | 39 Comentários

Cabo verde está à procura de uma parceria lusófona para comprar aviões de patrulha naval

Cabo Verde tem uma extensa zona económica marítima mas nenhuns meios para a patrulhar. A cada vez mais frequente presença de arrastões chineses e sul coreanos nas aguas da Guiné-Bissau e, também, de Cabo Verde torna particularmente urgente a formação de meios aéreos e navais de patrulha das águas destes dois países lusófonos e, particularmente, de Cabo Verde. As aguas de Cabo Verde são também usadas cada vez mais frequentemente pelos narcotraficantes que usam a Nigéria e a Guiné-Bissau como plataforma intermédia para os mercados europeus.

Este país lusófono procura assim estabelecer parcerias com o Brasil ou com Portugal por forma a comprar aviões de patrulha naval. Isto mesmo admitiu o  porta-voz do Conselho do Ministério da Defesa cabo-verdiano, o major António Silva Rocha, que disse brevemente o ministro Jorge Tolentino iria ao Brasil negociar a aquisição de aparelhos deste tipo ainda em 2012. A Cabo Verde vai também contactar Portugal com a mesma intenção, no quadro do grupo técnico de trabalho com o ministro de Defesa português sobre a Economia do Mar.

Estes aparelhos – provavelmente da Embraer – irão assim reunir-se aos helicópteros de origem chinesa que estão em fase final de negociação. Cabo Verde não tem recursos suficientes para adquirir sozinho estes meios e por isso está em busca de uma parceria lusófona que deverá produzir frutos ainda antes do final de 2012.

Na verdade e havendo esta e a necessidade da Guiné-Bissau e uma total ausência de meios na Guiné e escassa no Cabo Verde o bom senso mandaria que estes meios aéreos deviam ser adquiridos em comum, usados em comunhão, com o apoio logístico português (manutenção, gestão e treinamento) e material (aviões) e financeiro do Brasil. Estes poderiam ser assim os primeiros de uma verdadeira “força aérea lusófona”, rentabilizando ao máximo estes meios, garantindo negocio no Brasil (Embraer) e em Portugal (Ogma) e defendendo a soberania destes dois países lusófonos da África Ocidental aos quais se poderia depois juntar São Tomé e Príncipe, numa fase posterior.

Fonte:
http://www.cmjornal.xl.pt/noticia.aspx?contentID=FA951D5E-F9E1-41E3-836B-256572D3D7AD&channelID=00000021-0000-0000-0000-000000000021

Categories: Brasil, DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | Tags: | Deixe o seu comentário

O Brasil vai comprar 3 patrulhas britânicos e adquirir a licença para construir mais 5 navios da mesma classe

 

Patrulha da Classe River (http://www.navyphotos.co.uk)

Patrulha da Classe River (http://www.navyphotos.co.uk)

O Brasil vai comprar 3 patrulhas britânicos construídos pela BAE e adquirir a licença para construir mais 5 patrulhas idênticos. Os navios estavam inativos e as negociações desde meados do ano passado.

Os navios serão usados para patrulhar a extensa costa brasileira e pertencem à classe River, estando uma variante da mesma atualmente em construção na Tailândia.

Os patrulhas têm 90.5 metros de comprimento, deslocam 2200 toneladas (na carga máxima). Têm 25 nós de velocidade máxima e um alcance (a 12 nós) de 5500 milhas navais. Podem levar até 60 tripulantes, mas podem operar com apenas 36 elementos. Podem acolher um helicóptero no convés e em termos de armamento, possuem um canhão de 30 mm de controlo remoto, para alem de 2 canhões de 25 mm.

O modelo foi originalmente desenhado para cumprir um pedido de Trinidad e Tobago, para entrega em 2009. Foram por isso equipados com os mais modernos equipamentos de comunicação e vigilância. Trinidad haveria de cancelar a encomenda e os estaleiros ficariam com os navios até ao momento em que o Brasil os adquiriu.

Os Patrulhas têm fisicamente a dimensão de uma corveta, mas estão mais mal armadas do que os navios deste tipo. Contudo, têm um notável raio de ação e têm boa capacidade para enfrentar condições de mar muito agrestes. É pena (e prova da dissonância Lusófona que ainda é regra) que os NPO2000 dos Estaleiros de Viana do Castelo não tenham estado aqui também em equação, já que também eles poderiam ter cumprido na perfeição os requisitos brasileiros…

Fonte:
http://www.defenseindustrydaily.com/Brazil-Buying-Building-BAEs-90m-Patrol-Vessels-07254/

Categories: Brasil, DefenseNewsPt, Defesa Nacional | 25 Comentários

A Fabrequipa (fabricante das Pandur) está em dificuldades e pode deixar de pagar salários

“A empresa do Barreiro a quem foi atribuída a construção das viaturas Pandur, no âmbito das contrapartidas para Portugal, apresentou uma queixa no tribunal arbitral para reclamar uma divida de 10 milhões de euros.”
(…)
“Em causa está o pagamento de custos adicionais no fabrico daquelas viaturas blindadas de oito rodas para o Exército (240) e a Marinha (20)”
(…)
“A banca não aceita os nossos pedidos de novos financiamentos, o ministro da Defesa não nos recebe… A situação da Fabrequipa é muito complicada”, lamentou Francisco Pita, frisando que já só tem dinheiro para pagar os salários e impostos de dezembro”.

Fonte:
Diário de Notícias, 12 dezembro 2011

As Pandur representam o mais importante programa de equipamento militar das ultimas décadas. Nem tudo foi decidido da melhor maneira, nem no processo de seleção (que poderia ter sido feito com a parceria de outros clientes dos países lusófonos), nem no domínio da transferência de tecnologia, nem (sobretudo) no campo das contrapartidas, onde existe uma nítida e global falta de cumprimento e de realização das garantias assumidas.

Pese embora tudo o que correu mal no processo das Pandur, o facto é que agora, elas estão aí. Existe uma montadora nacional (a Fabrequipa), a necessária substituição das M-113 e das Chaimite decorre e o Exercito e a Marinha têm hoje APCs modernos e atualizados, o que não acontecia já há algumas décadas. É assim importante manter a Fabrequipa, assegurar a continuidade do programa e o reequipamento das nossas forças armadas, enquanto simultaneamente se procuram clientes para possíveis exportações entre os países da CPLP e se utiliza a Fabrequipa e o conhecimento aqui adquirido para encetar novos programas de equipamento militar conjunto com outros países lusófonos.

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Política Nacional, Portugal | 21 Comentários

Quando começa a construção do NavPol para a Marinha Portuguesa?…

A construção do primeiro (e único)Navio Polivalente Logístico (NavPol) para a Marinha Portuguesa já foi enviado pelos estaleiros alemães da HDW para os ENVC de Viana do Castelo enquanto uma das contrapartidas acordadas para a aquisição dos dois submarinos e avaliada em 15 milhões de euros, mas sabe-se que não existem datas para o começo da construção do NavPol.

O arranque está suspenso por causa de falta de financiamento, não se sabendo quando será possível reunir os 230 milhões de euros necessários. Mas em 2012 não o será certamente já que tal verba não foi inscrita no OGE2012.

Existe um contrato, assinado em 2005 entre o Ministério da Defesa e os ENVC que previa a construção do NavPol, mas que nunca levou a uma adjudicação formal. O contrato foi entretanto prorrogado “sine die”.

O NavPol quando for construído terá 162 metros de comprimento e 150 tripulantes e a capacidade para transportas 162 militares. Será capaz de apoiar forças militares no estrangeiro e de assistir em operações humanitárias, graças também a um hospital embarcado com mais de 400 metros quadrados. O NavPol pode transportar até 6 helicópteros e um hangar de 510 metros quadrados e um convés de voo de 1300 metros, 5 lanchas de desembarque, 53 botes pneumáticos e 22 viaturas ligeiras. O navio terá uma velocidade máxima de 19 nos e uma autonomia de seis mil milhas náuticas transportando alimentos e agua suficientes para 30 dias.

Portugal é um país global, com interesses à escala global (muito ao inverso de quase todas as pequenas e medias potencias europeias) e com uma ligação muito próxima aos países da CPLP e a pertença na NATO o país tem que ter capacidade própria para projetar poder militar e enviar ajuda humanitária a qualquer ponto do globo. Um NavPol, com uma pequena escolta de uma ou duas fragatas pode representar um auxilio determinante a um Estado lusófono em apuros e ser uma ferramenta de afirmação de soberania sobre a nossa extensa e rica zona económica exclusiva. Trata-se assim de um projeto estratégico para Portugal, essencial para realizarmos a transferência de tecnologia que possa capacitar os estaleiros de Viana do Castelo para executarem projetos mais complexos e até para que se possa assegurar a sobrevivência do ultimo grande estaleiro naval português.

Fonte:
http://www.publico.pt/Pol%EDtica/construcao-de-navio-para-a-marinha-de-200-milhoes-de-euros-sem-data-para-arrancar-1526755

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Política Nacional, Portugal | 3 Comentários

Blog em WordPress.com. The Adventure Journal Theme.

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa.org

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

PEACEFUL DEMOCRATIC EVOLUTION Do we wait for the Chinese national socialist dictators to own the whole planet? Did we learned nothing from the second world war?

NOMOCRACY: Νομος (Law). The concept was familiar to ancient philosophers such as Aristotle, who wrote "Law should govern".

looking beyond borders

Looking at foreign policy differently

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

Parece piada... fatos incríveis, estórias bizarras e outros micos

Tem cada coisa neste mundo... e todo dia surge uma nova!

O Vigia

O blog retrata os meus pensamentos do dia a dia e as minhas paixões, o FLOSS, a política especialmente a dos EUA, casos mal explicados, a fotografia e a cultura Japonesa e leitura, muita leitura sobre tudo um pouco, mas a maior paixão é mesmo divulgação científica, textos antigos e os tais casos ;)

A Educação do meu Umbigo

Gaveta aberta de textos e memórias a pretexto da Educação que vamos tendo. Este blogue discorda ortograficamente. Contacto: guinote@gmail.com

Promocão e difusão da língua portuguesa

Blogvisão

"Qualidade de informação para qualidade de opinião!"

geoeconomia

Just another WordPress.com site

Egídio G. Vaz Raposo

Media Scholar | Communication Consultant | Trainer

Mudar as coisas...

vivemos no presente, e é nele que devemos mudar. mudarmo-nos é condição necessária para mudar as coisas…

Um Jardim no Deserto

Um minúsculo oásis no imenso deserto físico, mental e espiritual em que se está a transformar Portugal

Extraterrestres ARQUIVO

Seja bem vindo ao Site Extraterrestres Arquivo - Volte Sempre

Muralha Verde SCP

Em prol da defesa e do ataque do Sporting!

Pitacos De Um Torcedor Corinthiano

Louco por ti Corinthians!

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 4.795 outros seguidores